Arquivo da tag: Rubens

Câmara blinda Charlinho e nega a vereadores o direito de saber informações sobre a gestão municipal

Votação barra três requerimentos de informações direcionados ao Poder Executivo, cobrando explicações envolvendo a saúde e a educação. Grupo de vereadores mostra que o mais importante é agradar o prefeito

Jornal Atual de Itaguaí

JOGO DO PODER

Os três requerimentos cobrando explicações ao prefeito Carlo Busatto Júnior (MDB), o Charlinho, apresentados pelos vereadores André Amorim (PR), Ivan Charles (PSB) e Willian Cezar (PSB) foram rejeitados durante a sessão desta terça-feira (27), na Câmara Municipal de Itaguaí (CMI). Os documentos apresentados pelos vereadores que compõem o grupo suprapartidário foram reprovados pelos parlamentares da base governista.

O primeiro requerimento rejeitado foi do vereador Willan Cezar, que cobrava informações sobre o abandono das obras do Complexo Educacional de Piranema. Na ocasião, o parlamentar usou a tribuna e lembrou que a obra está paralisada desde a primeira gestão do prefeito Charlinho. “Muita coisa do que foi gasto na obra terá que ser refeita. É dinheiro público e não particular. O local está sendo ocupado por usuários de drogas e os moradores estão receosos de passar pelas ruas do entorno do complexo por conta da insegurança”, declarou Willian Cezar, justificando o seu requerimento de informação.
O vereador André Amorim lembrou que já esteve no local na semana retrasada e constatou o total abandono da obra. “Essa e outras obras abandonadas que são uma maldição para o povo, já que essa brincadeira é paga pelo povo”.

O segundo requerimento reprovado pela base governista foi do vereador Ivan Charles, que cobrava explicação sobre Centro de Especialidade Odontológica (CEO). De acordo com o parlamentar, o espaço está de total insalubridade. “O órgão é o único espaço no município para atender crianças e jovens com algum tipo de deficiência. Lamentavelmente, o CEO está abandonado e com equipamentos quebrados. Funcionários estão gastando do próprio bolso para manter o atendimento. Tem verba para saúde, sim. O que falta é gestão. Já se passaram dois anos e até hoje o CEO está parecendo um inferno”, desabafou Ivan Charles, lamentando a posição do presidente da Casa, Rubem Vieira, que defendeu o governo.

A terceira rejeição foi um requerimento do vereador André Amorim cobrando explicações à Secretaria de Educação. Segundo o parlamentar, em uma das vistorias às unidades escolares foram constatados vários problemas. “Diante da falta de merenda escolar e essa vergonhosa distribuição dos uniformes depois de quase dois anos; e ainda sendo distribuídos no final do ano, daí advém esse requerimento de informação, feito pelos próprios funcionários”, justificou.

Críticas à criação de nova secretaria

Antes da reprovação dos requerimentos, ainda na leitura dos expedientes recebidos e expedidos, os vereadores discutiram, por quase meia hora, um projeto de lei encaminhado pelo Poder Executivo, em caráter de urgência, destinado a oficializar uma nova reestruturação na administração municipal, com a criação da Secretaria de Segurança, o que provocaria a alteração da estrutura de outras secretarias.
O vereador Genildo Gandra (PDT) criticou o projeto, lembrando que o governo que não oferece saúde, educação e segurança de qualidade para a polução não pode estar pensando em criar uma nova secretaria. “Infelizmente é uma vergonha esta câmara aprovar essas secretarias, que passarão para 22. O prefeito já exonerou quase todos os contratados e os ocupantes de cargos comissionados, e agora cria secretarias. Sou radicalmente contra a criação de novas secretarias enquanto o município estiver nessa situação em que se encontra”, destacou.

Outro parlamentar contrário ao projeto do Executivo, Willan Cezar disse que na lei anterior constava 22 secretarias, porém ele ressaltou que a Secretaria de Cultura foi extinta e foi transformada em subsecretaria de Educação. “Ou seja, tinha 21 secretarias e com a criação destas ficará com 22. O prefeito não está pagando os servidores em dia, não paga o 13º salário e diversos benefícios foram cortados. Não pode aumentar o número de secretarias enquanto a população está sofrendo”, condenou.

Já o vereador Waldemar Ávila (PHS) questionou a criação de mais uma secretaria e lembrou que o prefeito não está reduzindo o salário dos secretários, que ganham R$ 20 mil. O vereador aproveitou para falar sobre o que tomou conhecimento ao analisar o Portal de Transparência da Prefeitura de Itaguaí, na ocasião o orçamento do município. “Até a presente data, 27 novembro, o município arrecadou R$ 495,5 milhões. Isso significa que houve um aumento na receita de aproximadamente R$ 100 milhões. Cadê o dinheiro? Já são dois anos dessa gestão e a gente vê a incompetência, porque o gestor, quando é eleito, é para governar em prol da população e não para si próprio. Agora, ele deverá usar esse dinheiro para pagar mais um secretário e toda uma estrutura de secretaria”, questionou Waldemar Ávila.

Após todo embate, o pedido de urgência do Poder Executivo foi rejeitado e seguirá os trâmites do Legislativo.

Anúncios