Arquivo da tag: médico

Bandidos percorreram 111 km com ambulância roubada em UPA

Médico foi sequestrado para cuidar de ferimentos de traficante

Os bandidos fortemente armados que sequestraram um médico, na madrugada deste domingo, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Complexo da Maré, Zona Norte do Rio, percorreram 111 km com a ambulância, de acordo com informações da 21ª DP (Bonsucesso).

Em depoimento, o médico relatou que os criminosos trafegaram com a ambulância por “bastante tempo” e após pararem em algum lugar que o profissional não soube informar, eles o obrigaram a destravar a maca para retirar o ferido do veículo, que foi recebido por outros homens. O baleado seria o traficante Thiago da Silva Folly, o TH.

“O médico que atuava como clínico geral e no plantão da UPA da Maré pouco esclareceu, apenas disse que o homem estava com ferimentos no braço, cotovelo e antebraço esquerdos, que estava ‘completamente caído’, tendo feito o atendimento básico”, conta o delegado Wellington Vieira, da 21ª DP, na leitura do depoimento.O profissonal de saúde também não conseguiu reconhecer quem seria o homem por fotografias.

No entanto, o médico disse ao delegado que o ferido entrava em choque por diversas vezes, em razão da grande quantidade de sangue por ele perdida, e que conseguiu estabilizar minimamente o paciente.

Segundo Vieira, o profissional seria removido para o Hospital Municipal Souza Aguiar ou para o Hospital Estadual Getúlio Vargas após o atendimento básico, mas os traficantes não permitiram e o obrigaram a entrar na ambulância e foram possivelmente em direção à Baixada pela Rodovia Washington Luiz.

O médico também relatou à polícia que, antes da sua saída da UPA para entrar na ambulância, dois homens fizeram perguntas sobre o quadro de TH, aparentando ser conhecedores da área médica.

Ação teria sido orquestrada para socorrer TH, chefe do tráfico da região

Segundo a polícia, “a operação de guerra” orquestrada pelos traficantes seria para socorrer Thiago da Silva Folly, o TH, chefe do tráfico na região. O profissional, cujo nome é mantido em sigilo para manter sua segurança, deve ser ouvido nesta segunda-feira na 21ª DP (Bonsucesso).

O caso ocorreu por volta de 2h30, após criminosos furarem uma blitz e trocarem tiros com policiais do Batalhão de Policiamento em Vias e Estradas (BPVE) na Avenida Brasil, na altura da Linha Amarela. Um policial militar acabou baleado e, após buscas, foi encontrado um fuzil FAL calibre 762 com luneta próximo a área onde houve o confronto. Na arma havia a inscrição “Tropa do TH”. Os militares envolvidos na ação prestaram depoimento.

De acordo com o delegado Wellington Vieira, da 21ª DP, a ambulância estava no Engenho Novo quando foi acionada para um socorro na Maré. Chegando na comunidade, o motorista, que prestou depoimento na delegacia neste domingo, foi rendido e o médico levado pelos criminosos.

O médico foi mantido sob o poder dos traficantes por pelo menos cinco horas e foi abandonado na Baixada Fluminense, onde o baleado teria sido atendido em uma clínica. Inicialmente o delegado havia informado que o médico seria da UPA da Maré, mas voltou atrás e disse que o mesmo pertence à unidade do Engenho Novo, bairro de onde foi acionada a ambulância.

“Ele disse que tinha muitos traficantes e foi obrigado a tirar o uniforme que usava. Um bandido vestiu e eles roubaram a ambulância. Segundo ele, eram muitos bandidos fortemente armados com fuzis e pistolas. O médico foi obrigado a entrar na ambulância e foi levado pelos bandidos”, disse o delegado, com base no depoimento do motorista.

“Considero isso uma operação de guerra. Eles não fariam isso se não fosse um traficante que não tivesse uma importância para o tráfico. Acredito ser o TH ou um grande aliado dele.” Vieira disse que os envolvidos identificados serão indiciados por roubo, sequestro e associação criminosa.

O Disque-Denúncia oferece R$ 2 mil por informações que levem o TH, ou Riqueza, como também é conhecido, à prisão. Segundo informações, ele faz parte da cúpula da facção TCP, que comanda o tráfico de drogas em 11 das 16 favelas do Complexo da Maré. Ele ganhou o posto após as prisões de Menor P e o seu irmão, Zangado.

Fonte: O Dia

Falso médico atendia pacientes em Seropédica com CRM de homônimo

Médico falso foi nomeado pelo atual prefeito em janeiro

Quem se consulta com o “doutor Thiago Neves” em duas unidades de saúde (km-40 e km-49) de Seropédica, na Região Metropolitana do Rio, pode não desconfiar, mas, apesar de se apresentar como cardiologista, o servidor público não é médico. A denúncia, feita por funcionários dos postos onde ele trabalha, chegou ao conhecimento do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), que confirmou a prática ilegal de medicina pelo servidor.

 

– Ele não é um profissional da medicina. Os procedimentos que ele utiliza até um paciente sabe que não são de um médico. Pior que ele atende nas duas unidades de Seropédica – revelou uma funcionária da área de saúde da Prefeitura de Seropécida, que pediu para não ter seu nome divulgado.

 

Nomeado pelo próprio prefeito, Anabal Barbosa de Souza, ao assumir o cargo, no início deste ano, o falso médico usa o número de registro profisisonal 84678-3 no Conselho Regional de Medicina (CRM). Esta numeração, de fato, pertence a um médico que se chama Thiago Neves, mas que não trabalha em Seropédica e que ficou surpreso quando soube do “xará”.

 

– Nunca imaginei que isso pudesse acontecer comigo. Ele está usando o meu CRM, é assustador. É muito sério, é crime ideológico. Algo precisa ser feito – protesta o profissional, que soube da utilização na última quarta-feira.

 

Ao passar a sentir dores no estômago e na barriga, uma geógrafa de 41 anos, que pediu para não ser identificada, procurou a unidade de saúde do km-40 para ser atendida. Com tonturas e reclamando de dor, ouviu o “doutor Thiago Neves” receitar quatro remédios diferentes, sendo que um para o estômago e três para dores no corpo. Ela diz que sequer foi examinada pelo suposto médico.

Caso condenado, o falso médico pode pegar no mínimo 7 anos de prisão.

INSS terá que contratar médico para substituir perito em greve

Decisão da Justiça atende ação do Ministério Público devido a atraso na concessão de benefícios

 

A Justiça Federal do Rio determinou ontem, em decisão liminar, que o INSS faça perícias médicas em até 15 dias após o agendamento nos postos em todo o país. A determinação atende ao pedido do Ministério Público Federal (MPF), que ajuizou ação civil pública contra o órgão e a União devido à greve dos médicos peritos que já dura 77 dias. A decisão visa amenizar o sofrimento de milhares de segurados que dependem do exame para receber benefícios. Por lei, a perícia é feita de 30 a 45 dias após a marcação.

20 2

Procuradora Ana Padilha pede urgência nos atendimentos periciais.  Foto: Divulgação

 

 

Para atender a exigência, a decisão obriga o INSS a aumentar o número de servidores designados ao agendamento dos exames periciais; a suspender recesso e férias dos peritos e a realocá-los a agências com falta desses profissionais.

 

Se o prazo de atendimento de 15 dias não for cumprido, o instituto terá que contratar temporariamente médicos terceirizados. Além disso, o instituto terá que prorrogar todos os benefícios previdenciários que dependam de perícias. As determinações terão que ser cumpridas cinco dias após a notificação.

 

A perícia é exigida para a concessão de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, aposentadoria especial e reconhecimento de acidentes de trabalho. Sem o exame, o segurado fica sem salário e sem o benefício.

 

Devido à greve, já foram adiados 700 mil exames em setembro e outubro, segundo o o INSS. Já a Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) diz que a paralisação afeta mais de 1,2 milhão de pessoas.

 

Responsável pela ação, a procuradora do MPF, Ana Padilha Luciano de Oliveira, defende a urgência dos pedidos. “O direito de greve não pode prejudicar pessoas que dependem da perícia para receber benefícios.

 

O atendimento em 15 dias é necessário pois são muitos esperando por um longo tempo. É uma urgência”, declarou.

 

O INSS informou que ainda não foi intimado e que, quando for, adotará, com a Advocacia Geral da União, as medidas cabíveis.

 

Presidente da ANMP, Francisco Cardoso afirmou que a entidade vai ingressar na ação para contestar os pedidos do MPF. “Afronta nosso direito de greve. Terceirizar não resolve. Se o INSS colocasse todos que trabalham durante a greve para atender perícia inicial, a demanda estaria suprida”, afirmou o dirigente.

 

Os peritos pedem 27% de aumento em dois anos, redução da carga semanal de 40 para 30 horas, reestruturação da carreira e fim da terceirização. Os salários dos médicos variam entre R$ 11 mil a R$ 16 mil para 40 horas.

 

Administrativo não vai parar

Os servidores administrativos do INSS do Rio decidiram ontem não fazer paralisação de 24 horas marcada inicialmente na próxima terça-feira. Em assembleia, a categoria resolveu dar voto de confiança ao governo após a direção do Sindsprev-RJ ter se reunido com da Superintendência Sudeste do INSS.

 

Segundo o diretor do sindicato Rolando Medeiros, o INSS se comprometeu em encaminhar pontos que o governo não cumpriu alguns termos do acordo assinado com o Planejamento, após 80 dias de greve. O dirigente informou que o INSS se comprometeu em não fechar postos no estado. “Se até o começo de dezembro não encaminharem as reivindicações podemos retomar a greve por tempo indeterminado”, disse Medeiros.

Fonte: O Dia