Arquivo da tag: Gripe

ITAGUAÍ INICIA HOJE CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA GRIPE

A mobilização acontecerá até o dia 1º de junho em 12 unidades de saúde

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, causador da gripe, terá início nesta terça-feira (24/4) em Itaguaí. A Secretaria Municipal de Saúde disponibilizará 12 postos para imunização da população. A vacina disponibilizada pelo governo federal é a trivalente, que previne a contaminação pelos vírus A/H1N1, A/H3N2 e Influenza B.

Devem tomar a vacina contra a gripe: Crianças de seis meses a cinco anos; gestantes; mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias; pessoas com mais de 60 anos; profissionais da saúde; professores da rede pública e particular; população indígena; portadores de doenças crônicas, como diabetes, asmas e artrite reumatoide (com prescrição médica); Indivíduos imunossuprimidos, como pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia (com prescrição médica); e portadores de trissomias, como síndrome de Down e de Klinefeite (com prescrição médica).

 

A campanha de vacinação contra a gripe vai até o dia 1º de junho.

 

Influenza

 

A influenza é uma doença respiratória infecciosa que pode causar complicações, principalmente em indivíduos que se encontram no grupo prioritário que ainda não estejam imunizados.

 

Relação dos postos

Clínica da Família – Quinta-feira

ESF Chaperó – Quarta e Quinta-feira

ESF Mazomba – Terça e Quinta-feira

ESF Odenit Maia – Segunda, Quarta, Quinta e Sexta-feira

ESF Coroa Grande – Segunda a Sexta

UBS Califórnia – Terça e Quarta-feira

UBS Chaperó – Terça e Quinta-feira

UBS Mangueira – Terça e Sexta-feira

UBS Monte Serrat – Quinta-feira

UBS Vista Alegre – Segunda e Quarta-feira

UBS Vila Margarida – Segunda e Quarta-feira

Vigilância em Saúde – Segunda a Sexta-feira

 

É importante lembrar que cada unidade de saúde possui sala de vacina funcionando em horário específico. A população deve se informar na unidade mais próxima de casa.

Tire suas dúvidas clicando aqui

Vacina contra a gripe foi estendida para toda a população, nesta segunda

A medida só é válida neste ano e ainda há um estoque de 10 milhões de doses. Até o momento, 76,7% do público-alvo foi vacinado. Em todo o país, apenas o Amapá atingiu a meta

O Ministério da Saúde decidiu disponibilizar a vacina contra a gripe a toda a população. Estados e municípios foram orientados a ofertar a vacina para todas as faixas etárias, a partir desta segunda-feira (5), enquanto durarem os estoques nas unidades de saúde. A medida só é válida neste ano e foi adotada porque ainda há um estoque disponível de 10 milhões.

Até sexta-feira (2), 41,3 milhões de pessoas do público-alvo se vacinou contra a gripe no país. O Amapá é o único estado que atingiu a meta até este momento, com 95,6% do público-alvo vacinado. A campanha foi prorrogada para até o dia 9 de junho com o intuito de alcançar a meta de vacinação que, neste ano, é de 90%.

O ministro da Saúde ressalta que a ampliação do público na última semana da campanha ocorrerá porque ainda há doses disponíveis. “Neste ano, tivemos poucos casos por influenza devido à baixa circulação do vírus. Em consequência disso, o público-alvo procurou menos os postos de saúde. No entanto, ainda há 10 milhões de doses de um montante de 60 milhões adquiridas. Para que não haja desperdício, já que estas vacinas só valem por um ano, decidimos estender a todas as faixas etárias, enquanto durarem os estoques.”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A campanha publicitária, que tem como padrinho o sambista Martinho da Vila, continua sendo veiculada em TV aberta, rádio, nos meios impresso (jornais e revistas), mídia exterior (busdoor, placas em ruas e avenidas, abrigo de ônibus, metrô), no meio online (internet e com ações nas redes sociais). Até esta sexta-feira (2), foram vacinados 41,3 milhões de brasileiros. Esse total considera todos os grupos com indicação para a vacina, incluindo população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas com comorbidades. A população prioritária desta campanha, que não considera esses grupos, é de 54,2 milhões de pessoas. Desse total, 76,7% foram vacinados.

A coordenadora Nacional do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, alerta sobre a importância do público-alvo ainda se imunizar para evitar a gripe e seus possíveis agravamentos. “É importante que a população da campanha se vacine neste período para ficar protegida quando o inverno chegar. A vacina demora 15 dias para fazer efeito no organismo, por isso o Ministério da Saúde planeja a campanha antes do inverno, período de maior circulação dos vírus da influenza”, destacou Carla Domingues.

Até o momento, nenhum grupo prioritário atingiu a meta de vacinação. Entre os públicos-alvo, os trabalhadores da saúde registraram a maior cobertura vacinal, com 3,9 milhões de doses aplicadas, o que representa 84,5% deste público, seguido pelos idosos (83,8%) e indígenas (83,6%). Os grupos que menos se vacinaram são as crianças (62,3%), gestantes (62,4%), professores (76,7%) e puérperas (83,2%). Além do grupo prioritário, também foram aplicadas 8,4 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidades, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional.

Os estados com a maior cobertura de vacinação no país, até o momento, são: Amapá (95,6%), Paraná (84,9%), Santa Catarina (84,8%), Goiás (82,4%), Rio Grande do Sul (82%), e Pernambuco (81,3%). Já os estados com menor cobertura são: Roraima (60,8%), Pará (65,3%), Mato Grosso do Sul (67,8%), Mato Grosso (68,3%), Acre (68,9%), Bahia (70,9%) e Sergipe (71,5%). Entre as regiões do país, o Sul apresenta maio cobertura vacinal, com 83,7%, seguida pelas regiões Sudeste (76,6%), Centro-Oeste (75,5%); Nordeste (74,8%) e Norte (72,9%).

SEGURANÇA – A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde em 2015 protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela OMS para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

PREVENÇÃO – A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

É importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar, imediatamente, o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

Estado

Vacinação contra a gripe – até 2 de junho

População prioritária

Doses aplicadas

Cobertura vacinal (%)

RO

323.699

232.470

71,82

AC

189.009

130.237

68,91

AM

931.235

777.735

83,52

RR

166.021

100.902

60,78

PA

1.603.345

1.047.694

65,34

AP

154.717

147.901

95,59

TO

318.655

249.349

78,25

NORTE

3.686.681

2.686.288

72,86

MA

1.513.274

1.142.871

75,52

PI

699.689

511.011

73,03

CE

1.891.257

1.366.757

72,27

RN

719.521

555.550

77,21

PB

924.549

702.298

75,96

PE

2.000.443

1.625.603

81,26

AL

684.523

538.295

78,64

SE

438.746

313.692

71,50

BA

3.081.076

2.184.585

70,90

NORDESTE

11.953.078

8.940.662

74,80

MG

4.435.788

3.573.841

80,57

ES

800.243

640.742

80,07

RJ

3.829.644

2.835.110

74,03

SP

9.680.208

7.303.525

75,45

SUDESTE

18.745.883

14.353.218

76,57

PR

2.383.966

2.024.142

84,91

SC

1.371.033

1.162.785

84,81

RS

2.665.223

2.184.844

81,98

SUL

6.420.222

5.371.771

83,67

MS

635.704

430.858

67,78

MT

678.429

463.503

68,32

GO

1.301.156

1.071.999

82,39

DF

551.856

423.891

76,81

CENTRO-OESTE

3.167.145

2.390.251

75,47

TOTAL

43.973.009

33.742.190

76,73

Começou a campanha de vacinação contra o vírus Influenza em Itaguaí

Vários postos de saúde estão mobilizados para atender a população

Começou nesta segunda-feira (17/4), a campanha de vacinação contra o vírus Influenza, em Itaguaí.  Para atender ao público alvo formado por idosos, crianças entre 6 meses a 4 anos e 11 meses, gestantes, mulheres pós-parto de 45 dias e trabalhadores da saúde. Também serão imunizados os profissionais da rede municipal de ensino e portadores de doenças crônicas com idade entre 5 e 59 anos.

Segundo a Secretaria de Saúde do município a estimativa é imunizar  26.434 pessoas (90% do público alvo). Para isso,  16 unidades estão atendendo à população, no horário das 8h30 às 16h, até o dia 26 de maio.

 

 

Relação das unidades de saúde para vacinação contra o vírus Influenza

 

Unidade Dias da semana Publico alvo
UBS BRISAMAR TERÇA E QUARTA PRIORITÁRIO
ESF COROA GRANDE DE SEGUNDA A SEXTA PRIORITÁRIO
UBS VISTA ALEGRE SEG, QUI, SEXTA PRIORITÁRIO
ESF CHAPERÓ SEG, QUI, SEXTA PRIORITÁRIO
UBS CHAPERÓ SEG, TER, QUA, SEXTA PRIORITÁRIO
UBS MANGUEIRA DE SEGUNDA A SEXTA PRIORITÁRIO
ESF/UBS ENGENHO SEG, TER, QUI, SEXTA PRIORITÁRIO
UBS CALIFORNIA SEGUNDA E QUINTA CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS
UBS CALIFORNIA QUARTA E SEXTA ADULTOS DO GRUPO PRIORITÁRIO
ESF ODENITE MAIA DE SEGUNDA A SEXTA PRIORITÁRIO
UBS MONTE SERRAT DE SEGUNDA A SEXTA PRIORITÁRIO
UBS VILA MARGARIDA SEG, TER, QUA, SEXTA PRIORITÁRIO
UBS VILA GENY SEG, TER, QUA, SEXTA PRIORITÁRIO
POSTO CENTRO DE SEGUNDA A SEXTA CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS
VIGILÂNCIA EM SAÚDE TERÇA E QUINTA ADULTOS DO GRUPO PRIORITÁRIO
CLÍNICA DA FAMÍLIA TODOS OS DIAS PRIORITÁRIO

 

Fonte: Prefeitura de Itaguaí

4,5 milhões de pessoas serão vacinadas contra a gripe no Estado

Campanha começou nesta segunda (17) e vai até 26 de maio

Começou hoje (17) a 19ª Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza. No estado do Rio de Janeiro, a meta é vacinar 90% dos grupos prioritários, o equivalente a 4,5 milhões de pessoas. Segundo o Ministério da Saúde, foram distribuídas 5 milhões de doses para os municípios aplicarem até o dia 26 de maio em pessoas a partir de 60 anos, crianças de 6 meses a 5 anos incompletos, trabalhadores da área de saúde e do sistema prisional e professores, gestantes e mulheres até 45 dias após o parto, indígenas, portadores de doenças crônicas e pessoas privadas de liberdade, incluindo jovens em medida socioeducativa.

 

No município do Rio de Janeiro, a meta é vacinar 1,4 milhão de pessoas. A subsecretária de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Claudia Nastari de Paula, ressaltou que a vacina deve ser tomada todos os anos, já que o vírus muda, e é importante para prevenir complicações decorrentes da influenza.

 

“É preciso proteger aqueles que têm maior risco de complicações pela gripe. A vacina é composta por três importantes tipos de vírus influenza, que são os vírus mais relacionados às complicações graves da influenza, então, por isso, as pessoas desses grupos precisam se vacinar”, disse a subsecretária.

 

Segundo Claudia, a novidade deste ano é a inclusão dos professores no público-alvo da campanha. “É um grupo que passa muitas horas confinado dentro de salas de aula, salas às vezes com ar-condicionado, e é um importante elo na transmissão da doença. Ele [professor] pode adquirir de seus alunos ou transmitir para seus alunos, que consequentemente vão levar para suas famílias.”

 

Para quem já tomou ou precisa tomar também a vacina contra a febre amarela, a subsecretária esclarece que não há nenhuma contraindicação em fazer as duas imunizações no mesmo dia, mas é recomendável esperar pelo menos uma semana entre uma dose e outra.

 

“Se a pessoa puder esperar um pouquinho, sempre é bom tomar uma e depois tomar a outra, porque, se tiver algum tipo de reação,  fica-se sem esclarecer qual das vacinas foi a responsável. Mas não tem nenhuma contraindicação. O ideal seria esperar uma semana, mas, se não tem tempo para voltar depois, não tem problema nenhum tomar no mesmo dia a de gripe e a de febre amarela.”

 

Primeiro dia

 

Nas primeiras horas da vacinação, na manhã de hoje, muita gente compareceu à Clínica da Família Sérgio Vieira de Mello, no Catumbi, região central da cidade, para ser imunizado. O engenheiro aposentado Felinto Alves de Oliveira, de 80 anos, disse que sempre toma a vacina. “Todo ano eu tomo, nunca mais fiquei gripado. Todo ano eu ficava gripado e depois que comecei a tomar a vacina nunca mais fiquei. Todo mundo deve se vacinar realmente.”

 

A diarista aposentada Maria Barbosa Fernandes, de 64 anos, foi com o marido tomar a vacina. “A da gripe eu tomei porque ele me incentivou, porque da outra vez eu fiquei ruim, com o braço cheio de hematomas, mas ajudou bastante a não ter gripe.”

 

Também aposentado, o marido de Maria, José Anastácio Gonçalves, de 69 anos, diz que sente o benefício da vacina e, por isso, incentiva a companheira a tomar. “A vacina não faz mal não, desde que começou, sempre tomei e não faz mal nenhum. De lá pra cá, não senti mais problema de gripe não, quase não tenho resfriado. Então continuo tomando”.

 

Aos três meses de gestação, Tamara Liberato da Costa, de 28 anos, foi incentivada pela enfermeira que acompanha o pré-natal a tomar a vacina. “É o meu primeiro bebê. Eu nunca tinha tomado a vacina antes, foi bem tranquilo. Quem me receitou foi a enfermeira com quem eu faço o pré-natal: ela falou que seria importante eu tomar, para a gripe não atingir nem a mim nem ao bebê.”

 

O Dia D da campanha será 13 de maio, quando as unidades de saúde estarão mobilizadas exclusivamente para a vacinação contra a gripe. “Todas as unidades de atenção primária da cidade do Rio de Janeiro, as clínicas da família, os centros municipais de saúde, estarão exclusivamente voltados ao atendimento da vacinação. Não haverá nenhum outro tipo de atendimento, nenhuma consulta, nenhuma outra atividade que não seja vacinação. As equipes serão reforçadas, haverá mais gente trabalhando na vacinação. E esperamos vacinar um contingente maior de pessoas nesse dia”, disse Claudia.

Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil

Edição: Lílian Beraldo

Você conhece a diferença entre a gripe e o resfriado?

Coluna Boca Saúde com Dr Rocindes Berriel

Em nossa cultura brasileira um espirro é sinônimo de gripe. Essa banalização do que é a gripe pode levar a graves problemas, pois não se trata de uma doença com a benignidade que a maioria imagina. Em crianças, idosos ou imunodeprimidos, pode ser uma moléstia grave e até causar a morte.
Gripe e resfriados são doenças virais. E embora os sintomas sejam parecidos, os da gripe são bem mais intensos. As duas doenças possuem semelhanças, como, por exemplo, o fato de serem infecções extremamente comuns causadas por vírus. Podem causar sintomas respiratórios altos, como coriza, tosse e espirros. Além de apresentarem forma de contágio semelhante e serem facilmente transmissíveis de uma pessoa para outra.

E quais são as diferenças?

A gripe é uma doença contagiosa resultante da infecção pelo vírus influenza. O vírus influenza infecta o sistema respiratório (nariz, seios nasais, garganta, pulmões e ouvidos) podendo atingir diferentes espécies (humanos, aves, suínos, etc.).
Já o resfriado comum é uma infecção viral do trato respiratório superior, que afeta principalmente o nariz e a garganta. É uma das doenças mais comuns que existem. Eventualmente, todas as pessoas ficarão resfriadas mais de uma vez na vida.
Os sintomas da gripe são: febre elevada (que pode ultrapassar 38,5°), o paciente pode ficar vários dias com febre, sente dor de cabeça, dor muscular, popularmente descritas como “quebradeiras”, sensação de mal-estar muito intensa. Há o comprometimento das atividades físicas e intelectuais. Trata-se de uma doença de maior extensão e intensidade, sobretudo para as pessoas debilitadas. A gripe pode causar complicações graves e, eventualmente, morte, o que não ocorre nos casos de resfriados e rinite alérgica. Na gripe sem complicações, a doença aguda geralmente resolve-se ao fim de cerca de 5 dias e a maioria dos doentes recupera em 1-2 semanas. Porém, em algumas pessoas, os sintomas de fadiga podem persistir várias semanas.
Enquanto que no resfriado, os sintomas são parecidos com os da rinite alérgica, mas vão além. Ele pode vir acompanhado de uma leve dor de garganta (o paciente diz que a garganta arranha ou arde um pouco), uma discreta febrícula (37º) e um pequenino mal-estar. Quem está resfriado apresenta esses sintomas durante três ou quatro dias que desaparecem de forma espontânea; quem está resfriado não interrompe suas atividades físicas e intelectuais. Apenas o desconforto do nariz incomoda e exige pausas para a higiene nasal adequada.

Um indivíduo com gripe precisa de repouso e boa hidratação oral para umedecer as secreções a fim de que sejam mais facilmente expelidas. Além disso, deve buscar alívio sintomático. De acordo com a recomendação médica/odontológica pode tomar analgésicos e antitérmicos, se tiver febre e dor. Pode também usar descongestionantes nasais para afastar o desconforto do nariz obstruído e, na fase de tosse produtiva, xaropes que fluidifiquem a secreção para facilitar sua eliminação.
Para enfrentar o resfriado deve descansar e ingerir bastante líquido.
Nota-se que a hidratação é fundamental no embate contra a gripe e o resfriado. Muito do mal-estar da gripe e resfriado pode ser atribuído à má hidratação. A pessoa tem dor de garganta e deixa de tomar líquidos. E não é só a dor de garganta que influi. A febre alta aumenta a perda de líquido pela transpiração. Por isso, a pessoa tem de se cuidar e hidratar-se adequadamente. Pode ser com água, sucos e outros líquidos que, além de boa hidratação, deem um mínimo de suporte calórico.

Colaboração enfermeira Juliane Sobral

image

Dr. Rocindes Berriel Cirurgião Dentista formado pela UERJ, professor de Educação Física, professor auxiliar de Bioquímica na FABA, especialista no Programa de Saúde da Família (PSF) – UGF, Curso Superior em Empreendedorismo e Inovação – UFF, especialista em planejamento, implementação e gestão em educação à distância – UFF, mestrando em Ciências – PPGEA – UFRRJ, especialista em gênero e sexualidade – IMS/UERJ

A coluna Boca Saúde sai todas às terças- feiras

PREVENÇÃO – Campanha de vacinação contra a gripe termina hoje

Até o momento, 68,5% do público-alvo já foi vacinado. Campanha foi prorrogada para atingir a meta de vacinar 80% das pessoas vulneráveis às complicações da gripe

A Campanha de Vacinação contra Gripe termina nesta sexta-feira (5/6). Balanço do Ministério da Saúde indica que, até esta terça-feira (2/6), foram vacinados 34 milhões de brasileiros, o que corresponde a 68,5% do público-alvo. A meta é vacinar, pelo menos, 80% do público prioritário, formado por 49,7 milhões de pessoas, consideradas com mais riscos de desenvolver complicações causadas pela doença.

Até o momento, o único grupo que já atingiu a meta é o das puérperas (45 dias após o parto), com 357,7 mil de mulheres vacinadas (88%). O segundo grupo com maior cobertura é o dos idosos, com 15,2 milhões de doses aplicadas (73%). Em seguida estão os trabalhadores da saúde, com 2,7 milhões de vacinados (67,9%); crianças de seis meses a menores de cinco anos, com 8,1 milhões de doses (64,4%); as gestantes, com 1,3 milhões de doses aplicadas (60,3%). Entre os indígenas, foram 363,2 mil vacinados (60%). Além do grupo prioritário, também foram aplicadas 5,8 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidade, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional.

Apenas quatro estados já atingiram a meta: Amapá (86,8%), Paraná (81,5%), Espírito Santo (80,68%) e Santa Catarina (80,65%). Entre as regiões do país, a maior cobertura de vacinação foi no Sul, com 4,7 milhões de doses administradas, o que representa 79,6% do público-alvo. A 17ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe teve início em 4 de maio, com previsão de encerramento no dia 22 de maio. Para atingir a meta de imunizar 80% do público-alvo, o Ministério da Saúde prorrogou a campanha até 5 de junho.

A definição dos grupos prioritários segue a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), além de ser respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde em 2015 protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela OMS para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

Para receber a dose, é importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação. As pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais também precisam apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica.

PREVENÇÃO – A transmissão dos vírus influenza ocorre pelo contato com secreções das vias respiratórias que são eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção, tais como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto e não compartilhar objetos de uso pessoal.

Em caso de síndrome gripal, a recomendação é procurar um serviço de saúde o mais rápido possível. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus. Por isso, as medidas de prevenção são tão importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto.

Também é importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar, imediatamente, o serviço médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

REAÇÕES ADVERSAS – Após a aplicação da vacina pode ocorrer, de forma rara, dor no local da injeção, eritema e enrijecimento. São manifestações consideradas comuns, cujos efeitos costumam passar em 48 horas.  A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados. É importante procurar o médico para mais orientações.

Fonte: Ministério da Saúde

Vacinação contra a gripe já começou

Mais de 39 milhões de pessoas devem ser imunizadas. Para garantir a proteção antes do início do inverno, é fundamental realizar a imunização no período da campanha, que termina dia 22

 

Teve início nesta segunda-feira (04), em todo o país, a Campanha de Vacinação contra a Gripe para 2015. Mais de 54 milhões de doses da vacina estão sendo disponibilizadas aos estados e municípios para garantir a vacinação de cerca de 49,7 milhões de pessoas. Receberá a vacina quem faz parte do grupo prioritário, ou seja, parte da população que tem maior risco de desenvolver complicações causadas pela doença. A meta é garantir a vacinação de 80% do público-alvo, 39,7 milhões de pessoas, até o fim da campanha, em 22 de maio.

 

A vacina, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, protegerá a população contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B).  Integram o público-alvo crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde; povos indígenas; gestantes; puérperas (mulheres até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; e os funcionários do sistema prisional.

 

“A vacina oferecida pelo Ministério na Saúde traz, em sua composição, os vírus que mais circularam no mundo e é fundamental para reduzir as complicações e óbitos causados pela gripe. Esta mobilização é decisiva para garantir a proteção da população mais vulnerável aos vários tipos de gripe presente no país”, destaca o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

 

Também serão vacinadas pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais. A definição dos grupos prioritários segue a recomendação da OMS, com respaldo de estudos epidemiológicos e também da observação do comportamento das infecções respiratórias, que tem entre os principais agentes, o vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

 

A vacina contra influenza é segura e uma das medidas mais eficazes de prevenção a complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

 

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, é fundamental realizar a imunização no período da campanha para garantir a proteção antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai de final de maio a agosto.

 

Para a ação, estão sendo mobilizados em todo o país 240 milprofissionais, que atuarão em 65 mil postos de vacinação e contarão com o apoio de 27 milveículos (terrestres, marítimos e fluviais). É importante levar o cartão de vacinação e o documento de identificação para receber a dose. As pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais também precisam apresentar prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina.

 

Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica.

 

CAMPANHA – A 17ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe terá como Slogan “Contra a gripe, seu escudo é a vacinação” e reforça o conceito de proteção, além de explorar a imagem do escudo empunhado pelo Zé Gotinha, o personagem-símbolo da vacinação. Para a ação, que contará com filme para TV, spot para rádio, anúncio de revista, mobiliário exterior e peças para o ambiente online, o Ministério da Saúde investirá R$ 10 milhões.

 

Também está previsto a realização de um Dia D, no dia 09 de maio, para a mobilização nacional, em parceria com estados e municípios. As vacinas contra a gripe foram adquiridas por meio da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre o Instituto Butantan e o laboratório privado Sanofi. O acordo, intermediado pelo Ministério da Saúde, permitiu que Instituto Butantan dominasse todas as etapas de produção da vacina. Foram investidos R$ 487,6 milhões na aquisição das doses para a campanha deste ano.

 

MEDIDAS DE PREVENÇÃO – A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto e não compartilhar objetos de uso pessoal.

 

Em caso de síndrome gripal, deve-se procurar um serviço de saúde o mais rápido possível. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus, por isso, as medidas de prevenção são muito importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto.

 

Também é importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar, imediatamente, o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

 

REAÇÕES ADVERSAS – Após a aplicação da vacina, podem ocorrer, de forma rara, dor no local da injeção, eritema e enrijecimento. São manifestações consideradas benignas, cujos efeitos costumam passar em 48 horas.  A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados. É importante procurar o médico para mais orientações.

Fonte: Ministério da saúde