Arquivo da tag: ameaças

Professores e servidores do Ciep 300 são ameaçados dentro da escola

Como se não bastasse os assaltos em unidades de ensino, creches e postos de saúde, servidores vivem sob pressão de alunos e são ameaçados em seu local de trabalho.

Segundo matéria do jornal Atual,professores e servidores do Ciep 300 (Municipalizado), Vicente Cicarino localizado no Bairro Santana na Ponte Preta, denunciam que estão trabalhando sem nenhuma segurança e relatam várias ameaças de alunos. Segundo eles, a violência tomou conta da unidade escolar colocando risco à comunidade escolar.

Eles contam que, recentemente, uma aluna ameaçou uma professora com canivete. Docentes afirmaram também que estudantes fumam maconha durante o período de aula. Além disso, os professores denunciam que seus veículos são alvos de vandalismo, com alguns pneus rasgados e arranhões na pintura dos carros, que seriam frutos de ações de alguns alunos.

O que chama mais atenção na denúncia dos profissionais é o fato de alunos do ensino fundamental estariam praticando sexo nos banheiros do Ciep. Os profissionais também relataram o abandono nas instalações.

De acordo com os professores e os funcionários do Ciep, a Secretaria Municipal de Educação já foi informada sobre as ameaças e que uma professora, que teve o seu automóvel danificado, já fez um boletim ocorrência na delegacia. “Os professores já se reuniram com a direção e registram em ata os fatos ocorridos na escola. As cobranças já foram encaminhadas para Secretaria de Educação. Segundo o órgão, o caso seria avaliado, mas até agora nenhuma providência foi tomada”, contou um funcionário que preferiu não se identificar com medo de represarias.

Fonte: Jornal Atual

Anúncios

Vereador anuncia ameaça em Seropédica

Após denunciar os absurdos realizados na Prefeitura Municipal de Seropédica, que culminou no último dia 05/05, com a coleta de assinaturas para abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), o vereador Lucas Dutra dos Santos, o Professor Lucas (REDE), usou a Tribuna da Câmara para comunicar que caso lhe aconteça algo, que o responsável direto será o prefeito de Seropédica, Anabal Barbosa de Souza (PDT). Durante conversas com vereadores e assessores, Professor Lucas, tem dito claramente nos corredores da Câmara, que “não existe arrego que faça parar as suas denúncias”, explicitando que as continuará denunciando as diversas irregularidades da prefeitura de Seropédica no Ministério Público. O vereador avisou que na oportunidade certa, apresentará as denuncias de ameaças. “Não tenho medo de ninguém”, disse Professor Lucas

A Câmara de Seropédica é formada por 10 vereadores, e é de autoria de Professor Lucas a CPI e a Moção de Repúdio para a secretária de Educação, Cultura e Esporte de Seropédia, que declarou que os professores da Rede Municipal de Educação, deveriam ir trabalhar de jegue. A declaração provocou revolta na população e ganhou projeção na mídia nacional, nos principais meios de comunicação do país. A denúncia foi feita ao jornal Perfil.

 

Veja a matéria original:

http://www.jornalperfil.com/vereador-anuncia-ameaca-em-seropedica/

 

Fonte: Jornal Perfil

Muçulmanos que vivem no Rio sofrem ataques virtuais após atentados na França

O temor é tamanho que os comentários na página oficial da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro (SBMRJ) foram desabilitados

 

Outra ameaça caminha junto ao horror dos ataques terroristas que chocaram o mundo semana passada: o preconceito. Preocupados com o crescimento dos ataques pela internet, principalmente, seguidores do Islã no Rio criaram uma espécie de manual sobre como os fiéis devem se comportar para se proteger.

O temor é tamanho que os comentários na página oficial da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro (SBMRJ) foram desabilitados. “Este grupo que se autoproclama Estado Islâmico não é o verdadeiro Estado Islâmico. Suas práticas são condenadas pelo Islã”, explica o diretor do Departamento Educacional da SBMRJ, Sami Isbelle.

Dos quase 3 mil muçulmanos que vivem no Rio, cerca de 120 vão à mesquita frequentada por Sami, na Tijuca. Lá, muitos passaram a seguir as recomendações do líder religioso para garantir a própria segurança. Registrar agressões nas delegacias, evitar reações a insultos e não revidar as provocações são alguns dos itens sugeridos.

“Muitos têm feito uma ligação automática do Islã com tais crimes. O Islã é uma religião de paz, que busca aperfeiçoar o caráter e a conduta do ser humano para que a pessoa seja melhor e mais benéfica à sociedade”, diz. Sami prega que o diálogo é sempre o melhor caminho, desde que se perceba que há vontade para tanto do interlocutor.

“Sempre que questionados, devemos mostrar que o que aconteceu na França nada tem a ver com o Islã”, complementa. No Brasil, a estimativa é que vivam mais de 1 milhão de muçulmanos.

Desde março deste ano, a instituição organiza um dossiê com denúncias de mensagens preconceituosas contra adeptos do Islã. Das 49 páginas que tinha no início, o documento cresceu e chegou a 100 páginas na última semana. Mensagens como ‘mandem esta gente de volta para o país deles’ ou ‘esquerdopatas querem trazer o islamismo para o Brasil’ se destacam. Nem a presidenta Dilma escapa da fúria segregacionista e é acusada de apoiar a entrada do Estado Islâmico no Brasil. ‘Ela quer f… mais ainda o país’, diz uma delas.

A compilação de queixas de cunho islamofóbicos foi entregue à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, que ficou responsável pelo envio do dossiê à Polícia Federal e ao Ministério Público. “Mas não houve resultado prático. Algumas páginas foram excluídas, mas não acreditamos que tenha sido devido às denúncias”, disse o assessor da SBMRJ, Fernando Celino, que é convertido ao Islã.

 

REGISTROS EM QUALQUER DELEGACIA

A Polícia Civil informou que casos de intolerância religiosa podem ser registrados em qualquer delegacia e que por isso é difícil calcular o número de registros. Antes, havia um núcleo especializado mas desde 2010, o que passou a existir é uma parceria com a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, na Cidade da Polícia, no Jacarezinho. Já a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa organizou para amanhã um Ato Público de solidariedade na UFRJ.

Fonte: O Dia