Arquivo da tag: água

CEDAE irá realizar reparos na ETA Guandu na próxima quinta dia 7

Locais afetados serão Rio de Janeiro, Duque de Caxias, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Queimados, Mesquita, Nilópolis e Belford Roxo

A Cedae irá realizar, na próxima quinta-feira (07), a manutenção preventiva anual da maior estação de tratamento de água do mundo, a ETA Guandu. O serviço é fundamental para preparar o sistema para o verão período em que há maior consumo de água, segundo a empresa.  O trabalho começa às 8h e deve ser concluído até as 20h. Será necessário interromper a produção de água na unidade, que atende os municípios do Rio de Janeiro, Duque de Caxias, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Queimados, Mesquita, Nilópolis e Belford Roxo. A normalização do abastecimento pode levar até 72 horas em alguns locais.

A Cedae solicita que atividades que demandem grande consumo, como lavagem de carros e rega de jardins, sejam reprogramadas e que a população mantenha o consumo consciente da água. A empresa montou esquema especial para atender hospitais e outros serviços essenciais com carros-pipa no período em que a estação estiver inoperante.

A estação, reconhecida pelo Guinness Book como a maior em volume de água tratada do mundo, trata cerca de 43 mil litros de água por segundo.

Atraso na entrega de produtos químicos pode reduzir produção de água

Cedae pede que população economize água

Devido aos bloqueios de carretas nas estradas em todo Brasil, o Governo do Estado e a Cedae estão em contato com os fornecedores de produtos químicos e órgãos competentes a fim de evitar que haja atrasos e interrupção no fornecimento dos mesmos e, dessa forma, visa garantir o tratamento de água nas estações operadas pela Companhia.

No momento, a dificuldade de entrega está causando baixa no estoque dos produtos químicos. A Cedae permanecerá agindo para que suas atividades de produção continuem sem interrupção, no entanto, pede à população que economize água até que seja restabelecida a normalidade na entrega dos produtos químicos necessários e fundamentais ao tratamento.

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA O ORGANISMO

Coluna Boca Saúde com Dr. Rocindes Berriel

A água constitui mais de 60% do organismo humano adulto e quase 80% do corpo de uma criança, ela é um componente essencial para todos os tecidos corpóreos. Depois do oxigênio é da água que o organismo mais sente falta, daí a importância de mantermos uma boa hidratação corporal.
A água é o principal componente das nossas células, e também é encontrada fora delas (líquido extracelular). Ela atua também nos processos fisiológicos, como na digestão fazendo parte do suco gástrico. Além de ser um poderoso solvente e está relacionada com praticamente todas as reações do nosso corpo. A urina é formada basicamente por água e substâncias tóxicas ou em excesso dissolvidas.
Não podemos deixar de falar da proteção que a água garante ao nosso corpo. As membranas que envolvem o sistema nervoso são lubrificadas pelo liquor, substância rica em água que fornece proteção mecânica a esse sistema. Além disso, a água também está presente nos fluídos que protegem nossas articulações, protegendo os ossos do atrito.

image

Além de todos os benefícios já citados a água diminuiu a retenção hídrica, aumenta o tamanho dos músculos, mantém a saúde da pele, controla a fome, desempenha papel chave na estrutura e função do sistema circulatório, regula a temperatura corporal, entre outros benefícios.
Diante de tantas funções benéficas podemos concluir que é fundamental que fiquemos hidratados. A quantidade de água perdida a cada 24h deve ser reposta para manter a saúde e a eficiência do organismo. Em geral, adultos devem consumir 35mL/Kg de peso, crianças 50 a 60mL/Kg de peso e lactentes 150mL/Kg peso. Isto quer dizer que se uma pessoa pesa 70Kg ela deverá ingerir diariamente cerca de 2,5L de água.
Quando ficamos sem ingerir água alguns sintomas podem ser notados, inicialmente sentimos sede, boca seca, lábios rachados e urina mais escura. Este último sintoma é um dos mais evidentes, sendo ideal que ela seja clara.
Nosso organismo consegue ficar muito tempo sem nenhum alimento, mas não sem água. Pesquisas comprovam que dentro de três a cinco dias uma pessoa pode morrer caso não tenha acesso a essa substância. Sendo assim, lembre-se sempre de se hidratar, dando atenção especial aos dias quentes e ao praticar atividades físicas pesadas.

Colaboradora: Enfermeira Julliane Sobral.

image

Dr. Rocindes Berriel Cirurgião Dentista formado pela UERJ, professor de Educação Física, professor auxiliar de Bioquímica na FABA, especialista no Programa de Saúde da Família (PSF) – UGF, Curso Superior em Empreendedorismo e Inovação – UFF, especialista em planejamento, implementação e gestão em educação à distância – UFF, mestrando em Ciências – PPGEA – UFRRJ, especialista em gênero e sexualidade – IMS/UERJ

A coluna Boca saúde sai todas às terças – feiras

Sistema Guandu será paralisado para manutenção e população terá que economizar água no Rio

Cedae interrompe abastecimento para fazer manutenção em estação hoje à partir das 08 da manhã. Medida evitará problemas no verão

O Sistema Guandu será paralisado nesta quinta-feira por volta das 8h, para manutenção preventiva. Apesar da previsão de tempo para a execução do serviço ser de 24 horas, o abastecimento levará em média 72 horas para ser normalizado. Os consumidores, principalmente os de regiões consideradas pontas de linha, como Recreio e Leme, terão que economizar água até a manhã de domingo. O objetivo é evitar problemas durante o verão, período em que o Sudeste brasileiro sofrerá fortes efeitos da crise hídrica, segundo os especialistas.

A estação de tratamento abastece a Região Metropolitana e a Baixada Fluminense, atingindo um total de nove milhões de habitantes. Com o desligamento da água, as torneiras da região do entorno da estação serão as primeiras a sentir os efeitos da operação. Ou seja, em Campo Grande, Nova Iguaçu, Santíssimo e Madureira, os consumidores podem sofrer redução da pressão. Em contrapartida, essas serão as primeiras áreas em que o sistema será normalizado.

Já na Zona Sul, na ponta da Baixada, em Caxias, no do Leme e na Urca, o abastecimento só deve ser normalizado no domingo. ode demorar até 72 horas. Limpar o Sistema Guandu é quase uma operação de guerra. São mobilizados 300 técnicos de diversos pontos da Região Metropolitana. Eles irão vistoriar os reservatórios e canais de água filtrada da estação, adutoras e elevatórias.

Jorge Briard, presidente da Cedae, explicou que a paralisação será feita bem cedo. As comportas serão fechadas, impedindo que a água do Rio Guandu entre na estação. Posteriormente, as bombas de água bruta serão desligadas e, em seguida, as bombas de tratamento. Com isso, a água que restará na estação será impulsionada para as casas e esvaziará o sistema.

Áreas como os canais blindados do reservatório, em que os técnicos não podem ter acesso em dias normais, serão acessíveis para manutenção. “Essa manutenção que requer a paralisação da estação acontece de ano em ano. Mas estamos sempre fazendo manutenções e reparações no sistema”, disse Jorge Briard. “Todos os dias os técnicos trabalham de 7h da manhã as vezes até o dia seguinte.” completou.

Paulo Roberto Torres, administrador do Condomínio El Dourado, em Vila Isabel, já está se prevenindo para os efeitos da redução de água. Ele vai desligar o registro da captação de água e isso fará com que o relógio não se movimente sozinho com a entrada de ar, fazendo com que a conta de água não suba. Nos prédios há uma cisterna na parte debaixo e uma caixa d’água em cima. Isso ajudará o morador a atravessar esse período de intervenção da Cedae.

Segundo a Cedae, haverá esquema especial para atender demandas de hospitais, escolas e órgãos de atendimento essencial. O custo de um carro-pipa de 10 mil litros no período de manutenção da Cedae pode chegar a R$ 900, três vezes maior do que o preço normal.

Fonte: O Dia

Existência de água em Marte aumenta chances de planeta suportar vida, dizem cientistas

Água salgada flui durante os meses de verão em Marte, elevando as possibilidades de que o planeta, há muito considerado árido, pode suportar vida atualmente, disseram nesta segunda-feira cientistas que analisaram

dados de uma espaçonave da Nasa.

Embora a fonte e a composição química da água marciana sejam desconhecidas, a descoberta vai mudar o pensamento dos cientistas sobre se o planeta mais parecido com a Terra no Sistema Solar abriga vida microbiana embaixo de sua crosta radioativa.

“Isso sugere que seria possível para a vida estar em Marte hoje”, disse John Grunsfeld, administrador associado da Nasa para as ciências, a jornalistas ao discutir o estudo publicado na revista científica Nature Geoscience.

“Marte não é o planeta seco e árido que nós pensávamos no passado. Sob certas circunstâncias, a água líquida é encontrada em Marte”, disse Jim Green, diretor da agência para ciência planetária.

Mas a Nasa não vai correr para buscar a fonte dos recém-descobertos resíduos de água salgada para procurar possíveis formas de vida tão já.

“Se eu fosse um micróbio em Marte, eu provavelmente não viveria perto de um desses locais. Eu iria querer viver mais ao norte ou ao sul, bem abaixo da superfície e onde há mais de água fresca glacial. Apenas suspeitamos que esses lugares existem, e temos algumas evidências científicas de que existem”, disse Grunsfeld.

A descoberta de água foi feita quando cientistas desenvolveram uma nova técnica para analisar mapas químicos da superfície de Marte obtidos pela espaçonave da Nasa Mars Reconnaissance Orbiter.

Esses mapas encontraram indicadores de sais que só se formam na presença de água em canais estreitos feitos em paredes de penhascos ao longo da região equatorial do planeta.

Esses declives, reportados pela primeira vez em 2011, aparecem durante os quentes meses de verão em Marte, então desaparecem quando as temperaturas caem. Algo similar acontece com as digitais químicas de minerais, mostrou o novo estudo.

Cientistas suspeitavam que essas marcas, conhecidas como RSL, se formaram pelo fluxo de água, mas não tinham anteriormente conseguido fazer as medições.

“Eu achava que não havia esperança”, disse Lujendra Ojha, principal autora do estudo, à Reuters.

A Mars Reconnaissance Orbiter tira suas medidas durante a parte mais quente do dia marciano, então os cientistas acreditam que qualquer vestígio de água, ou digitais de minerais hidratados, teriam evaporado.

Além disso, os instrumentos quimicamente sensíveis da espaçonave não conseguem abrigar detalhes tão pequenos quanto os dos canais estreitos, que tipicamente tem largura menor que 5 metros.

Mas Ojha e seus colegas criaram um programa que consegue analisar pixels individuais. Esses dados foram correlacionados com imagens de alta resolução dos canais. Cientistas se concentraram nos canais mais largos e determinaram uma compatibilidade de 100 por cento entre sua localização e a detecção de sais hidratados.

Ainda não se sabe se os minerais estão absorvendo vapor d’água diretamente da fina atmosfera marciana, ou se há uma fonte de gelo embaixo da superfície.Independentemente da fonte, a perspectiva de água líquida, mesmo que sazonalmente, gera a intrigante probabilidade de que Marte, presumivelmente um planeta gelado e sem vida, possa suportar vida atualmente.

O cientista Alfred McEwen, da Universidade do Arizona, no entanto, afirma que muito mais informação sobre a composição química da água marciana é necessária para se fazer tal avaliação.

“Não é necessariamente habitável só porque tem água, pelo menos não para organismos terrestres”, disse ele.

A perspectiva da existência de água, mesmo que extremamente salgada, também tem implicações para futuras missões de humanos para Marte. A Nasa quer enviar astronautas norte-americanos para o planeta em meados da década de 2030.

“Marte tem recursos que são úteis para futuros viajantes”, disse Grunsfeld. “A água é realmente crucial, porque precisamos de água para beber, oxigênio para respirar.”

A água também pode ser dividida em moléculas de hidrogênio e oxigênio para produzir combustíveis para foguetes, necessários para trazer os astronautas de volta para a Terra.

REUTERS/NASA/JPL-Caltech/Univ. of Arizona

Rio e cidades da Região Metropolitana ficam sem água nesta terça-feira

Para manutenção da Light na Usina de Fontes, em Piraí, Sul do Rio, Cedae interromperá abastecimento por 15 horas

Municípios da Região Metropolitana, como Seropédica, Paracambi e Engenheiro Pedreira (Japeri), além do Centro do Rio e bairros da Zona Norte da cidade, terão o fornecimento de água interrompido a partir das 9h desta terça-feira. Para que a Light faça uma manutenção no sistema de geração de energia de Fontes Novas, na Usina de Fontes, em Piraí, Sul do Rio, a Cedae interromperá o abastecimento por 15 horas, retirando de carga a 2ª adutora de Ribeirão das Lajes.

Segundo a Light, a manutenção não afeta o fornecimento de energia para os clientes da área de concessão da companhia. Na capital fluminense, serão afetadas com a falta d’água as seguintes regiões: Centro, Guadalupe, Marechal Hermes, Rocha Miranda, Honório Gurgel, Rocha, Olaria, Ramos, Engenho da Rainha, Del Castilho, Higienópolis, Benfica, Riachuelo, Bonsucesso, Ilha do Governador, Caju, Sampaio Correa, São Francisco Xavier, Triagem, Manguinhos, Glória, Botafogo, Flamengo e Catete. 

O sistema de abastecimento será religado logo após o fim da manutenção da Light, por volta da meia-noite e, de acordo com a Cedae, o abastecimento pode levar até 24 horas para ser plenamente restabelecido. 

Zona Oeste sem água

Moradores do Recreio dos Bandeirantes, Camorim, Vargem Pequena e Vargem Grande também sofrerão com a falta d’água nesta terça-feira. A partir das 10h, a Cedae fará o remanejamento de duas tubulações, de 600 e 300 milímetros de diâmetro, localizadas na Avenida Salvador Allende, altura da Avenida Abelardo Bueno; na Avenida das Américas, altura do número 13.600; e na Estrada dos Bandeirantes, altura da Estrada do Rio Morto.

Um pedido da Prefeitura do Rio, que realiza obras da Transolímpica na região, o serviço terá duração de 24 horas, devendo terminar, portanto, às 10h de quarta-feira. De acordo com a companhia, hospitais serão abastecidos com carros-pipa durante a paralisação e o sistema entrará em operação imediatamente após a conclusão dos trabalhos de manutenção, porém o abastecimento em alguns pontos pode levar até 72 horas para normalizar.

Em um comunicado, a Cedae pediu que os consumidores não desperdicem água, evitando atividades como, por exemplo, banhos demorados e lavar louça com a torneira aberta, dentre outras atitudes. Fonte: Jornal O Dia