Arquivo da categoria: Vida

Escolas estaduais do RJ voltaram às aulas em 59 municípios, em formato híbrido

Orientação do sindicato dos servidores do estado é que educadores que ainda não tomaram a segunda dose da vacina continuem apenas no sistema remoto, mantendo ou aderindo a greve de aulas presenciais. Nas escolas municipais de Seropédica já há um plano de retorno e em Itaguaí decreto fala em volta após prazo de imunização dos servidores

Em 27 de julho de 2021 / Júlio Andrade com jornal O Dia

Rio de Janeiro – As escolas estaduais do Rio de Janeiro voltaram às aulas ontem segunda-feira (26) para o segundo semestre. Ao todo, 59 municípios estão autorizados a retomarem o ano letivo, que será administrado em formato híbrido: parte das aulas serão presenciais, e outra parte seguirá online. A partir de agora, as cidades irão depender dos próprios decretos municipais e do mapa de risco para a Covid-19.

Na capital, 259 escolas estão autorizadas para retornar com as atividade presenciais. As outras cidades são Angra dos Reis, Aperibé, Araruama, Areal, Armação de Búzios, Arraial do Cabo, Barra Mansa, Barra do Piraí, Belford Roxo, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Cardoso Moreira, Carmo, Casimiro de Abreu, Comendador Levy Gasparian, Conceição de Macabu, Engenheiro Paulo de Frontin, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Itaocara, Itaperuna, Japeri, Macaé, Macuco, Magé, Mangaratiba, Maricá, Mendes, Miguel Pereira, Miracema, Natividade, Nilópolis, Niterói, Nova Friburgo, Paracambi, Paraíba do Sul, Paraty, Petrópolis, Pinheiral, Piraí, Porciúncula, Porto Real, Quatis, Quissamã, Resende, Rio Bonito, Rio das Ostras, Santa Maria Madalena, São Gonçalo, Saquarema, Tanguá, Três Rios, Valença, Varre-Sai, Vassouras e Volta Redonda.

As instituições que retornaram nesta segunda devem respeitar o limite de capacidade instituído pela Secretaria Estadual de Educação, conforme a cor da bandeira no mapa de risco da Covid-19. Há diferenças entre o limite de atendimento no Ensino Fundamental e no Ensino Médio.

Ensino Fundamental:
Bandeira laranja – até 50% da capacidade
Bandeira amarela – até 75% da capacidade
Bandeira verde – até 100% da capacidade.

Ensino Médio:
Bandeira laranja – até 40% da capacidade
Bandeira amarela – até 60% da capacidade
Bandeira verde – até 100% da capacidade

A cidade do Rio, que está em bandeira laranja, pode receber apenas 50% da capacidade total no Ensino Fundamental da rede estadual, e 40% no Ensino Médio.

Apesar da autorização, ainda cabe aos responsáveis e aos alunos maiores de idade a decisão de retornar ou não para as aulas presenciais. Cada escola deverá se adequar ao distanciamento e manter em funcionamento os equipamentos necessários conforme os protocolos sanitários.

Em todo o estado, 33 municípios ainda estão impedidos: Duque de Caxias, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Mesquita e Queimados ainda não podem voltar em razão da cor vermelha no mapa da região – significa que boa parte dos municípios da Baixada Fluminense estão avaliados em ‘risco alto’.

Outras cidades seguem com as aulas impedidas por decretos municipais: Bom Jardim, Bom Jesus do Itabapoana, Cachoeiras de Macacu, Cambuci, Carapebus, Cordeiro, Duas Barras, Iguaba Grande, Italva, Itatiaia, Laje do Muriaé, Paty do Alfares, Rio Claro, Rio das Flores, Santo Antonio de Pádua, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, São José de Ubá, São José do Vale do Rio Preto, São Pedro da Aldeia, São Sebastião do Alto, Sapucaia, Seropédica, Silva Jardim, Sumidouro, Teresópolis, Trajano de Moraes.

Em caso de bandeiras vermelha e roxa, as unidades escolares da rede pública estadual funcionarão apenas para atividades administrativas, como a retirada de material pedagógico e do kit alimentação, além de entrega de documentos e matrícula de alunos. As aulas, nesses casos, acontecerão somente de forma remota.

Já a partir das bandeiras de risco laranja, amarela e verde, as escolas estaduais poderão desenvolver atividades pedagógicas com os estudantes que tenham interesse em frequentar aulas presenciais, mediante a capacidade física da unidade, em sistema de rodízio, respeitando as normas de distanciamento.

Sindicato estadual dos profissionais de educação decidem pela greve para os educadores que não estão completamente imunizados

Os profissionais de educação da rede estadual RJ decidiram em assembleia e votação on-line ontem, que os professores e funcionários administrativos que ainda não completaram seu ciclo total de imunização contra a covid, compreendendo a realidade da vacinação em cada município, deverão entrar em greve ou manter a greve das atividades presenciais nas escolas em todo o estado.
Com isso, os profissionais de educação das escolas estaduais que foram convocados para voltar às atividades presenciais nesse 2º semestre, mas que ainda não estão com o seu ciclo de imunização contra a covid, através da vacina, totalmente finalizado (ciclo completo) deverão entrar ou se manter em greve. Esses profissionais deverão manter o trabalho remoto.

Já os profissionais que já estão com o seu ciclo de vacinação completo devem retornar às atividades presenciais normalmente.

O Sepe RJ orientou a categoria a denunciar as escolas estaduais que não estiverem cumprindo os protocolos de segurança para a prevenção da doença, neste retorno às atividades presenciais. Na próxima quarta-feira, o sindicato irá se reunir com a Secretaria Estadual de Educação para discutir esse e outros assuntos.

Escolas municipais de Seropédica tem previsão de retorno para as próximas semanas em Itaguaí decreto fala em retorno pós imunização e dúvidas persistem sobre retorno

O município de Seropédica, que neste momento se encontra em bandeira vermelha para o risco de contágio para a Covid-19, montou um plano de retorno para a volta às aulas em sistema híbrido nas unidades municipais de ensino. De acordo com o plano, as aulas presenciais retornam à partir de 09 de agosto para os anos finais, 23 de agosto para o 6° e 7° ano e 30 de agosto para os anos iniciais. Contudo, se a bandeira vermelha persistir esses planos serão alterados.

Em Itaguaí existe a previsão de retorno para o sistema híbrido, porém não foi divulgado o plano de retomada e nem maiores informações.

Em Itaguaí é importante salientar que, o Decreto 4.616 de 16 de julho de 2021, publicado no Jornal Oficial 950, em seu artigo segundo, diz que os servidores públicos de qualquer faixa etária, com comorbidades ou não, devem retornar obrigatoriamente às atividades presenciais após 14 dias da aplicação da segunda dose ou da dose única de vacina contra Covid-19. Isso hoje, impossibilitaria o retorno à essas atividades por muitos servidores, independente da idade e de doenças pré-existentes, conforme relata o artigo.

O município está em bandeira laranja. Nosso blog tentou contato com a secretária de educação Nilce Ramos, porém mais uma vez não tivemos retorno.

Tanto em Itaguaí, quanto em Seropédica os profissionais de educação ainda não estão completamente imunizados.

Escolas particulares devem respeitar decisão municipal

Em relação às escolas particulares, a direção deve seguir o que está autorizado pelo município onde está localizada. As unidades de ensino que voltarem deverão seguir os mesmos protocolos adotados na rede pública.

Prefeitura de Seropédica adianta segunda dose da AstraZeneca

Após moradora ser confirmada com a amostra da variante Delta, o município resolveu reduzir intervalo entre as duas doses conforme recomendação do governo do Estado. A capital Rio de Janeiro, Mesquita e São Gonçalo decidiram não antecipar. A capital alega receio de redução da eficácia do imunizante. Alguns municípios como Itaguaí ainda não se manifestaram

Em 14 de julho de 2021 / Júlio Andrade e CNN

Rio de Janeiro– A Secretaria Municipal de Saúde do Município de Seropédica, resolveu adiantar a segunda dose da vacina AstraZeneca utilizada contra a Covid-19. Para quem já foi vacinado com a primeira dose do imunizante, agora terá a segunda dose aplicada oito semanas após a primeira, antes o intervalo era de doze semanas. Além disso, uma moradora de Seropédica foi identificada com a variante Delta originária da Índia após vir de Campo Grande, segundo ela.

A divulgação de antecipação acompanha o que decidiu a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, que com a descoberta e o avanço de novas variantes, principalmente a Delta, alguns estados tem se posicionado, com base em estudos, que seria interessante fazer essa antecipação para ampliar a proteção da população”, diz o comunicado do governo do Rio publicado no Diário Oficial feito na última terça-feira.

A antecipação o intervalo entre a primeira e segunda dose da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca foi autorizada a todos os municípios fluminenses de acordo com a disponibilidade que chegarem às doses das vacinas da AstraZeneca em cada cidade. Os demais imunizantes permanecem sem alterações entre a primeira e a segunda dose no estado, pelo menos por enquanto.

Além do Rio de Janeiro, outros estados vão antecipar a segunda dose da AstraZeneca como Acre, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Pernambuco, Piauí, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Roraima.

Já do imunizante da Pfizer o Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul vão antecipar a segunda dose.

Municípios do estado têm opiniões divergentes

Diferente da decisão da Secretaria de Saúde do Governo do Estado, alguns municípios fluminenses decidiram não fazer a antecipação. Além da capital, os municípios de Mesquita e de São Gonçalo informaram que não vão antecipar, até o momento, o intervalo de vacinação com este imunizante. A Secretaria do Município do Rio de Janeiro alega que com a antecipação a eficácia do imunizante cai para 59%. Porém, não descarta antecipação futura para pessoas com menos de 59 anos.

Niterói e Belford Roxo estão estudando se vão alterar o cronograma com a antecipação.

Em Maricá e Tanguá, a vacinação vai permanecer como o programado. Ambas as secretarias de saúde afirmaram que não receberam ainda orientação para agir diferente por parte do Ministério da Saúde e vão continuar seguindo a bula da AstraZeneca e a orientação do Programa Nacional de Imunização (PNI), que seria a aplicação da segunda dose entre oito e 12 semanas.

Até o momento, Campos dos Goytacazes, Guapimirim, Itaguaí, Magé, Nilópolis, Paracambi, Queimados, São João do Meriti não se posicionaram a respeito da antecipação da segunda dose.

Paciente vence a Covid-19 após ficar internado no hospital São Francisco Xavier em Itaguaí

Foram três meses de incertezas que culminaram na vitória pela vida

Em 25 de junho de 2021 / Júlio Andrade

Itaguaí – Após três meses internado no Hospital Municipal São Francisco Xavier, lutando contra a Covid-19, na última quarta-feira dia (23/06), o paciente Bruno Ernesto recebeu alta e, finalmente, pôde voltar para casa.

Sua saída da unidade foi comemorada com alegria e emoção por familiares e pelos profissionais de saúde.

Além dele, sua tia agradeceu a toda equipe médica e aos profissionais envolvidos que atuam no hospital.

https://fb.watch/6m5q54S3-A/

Prefeitura de Itaguaí vacinará pessoas de 18 a 59 anos e que tenham comorbidades contra a Covid-19

Grávidas e puérperas com comorbidades, pacientes renais crônicos e pessoas com Síndrome de Down de 18 a 59 anos já podem ser vacinados

Em 28 de abril de 2021 / Júlio Andrade

Itaguaí – A prefeitura de Itaguaí, através da secretaria de saúde da cidade, divulgou que à partir desta quinta-feira, 29 de abril, dará início a vacinação contra a Covid-19 para grávidas e puérperas com comorbidades, pacientes renais crônicos e pessoas com Síndrome de Down com idades de 18 a 59 anos, bem como para quem tem 59 anos ou mais e que fazem parte do grupo de risco, como diabéticos, obesos, cardiopatas, quem sofre de hipertensão arterial entre outros.

O atendimento será feito das 08h às 12h, nas UBSs e ESFs da cidade.

▶️É necessário levar laudo médico;
▶️Comprovante de residência;
▶️Cartão do SUS ou CPF;
▶️É recomendado levar cartão de vacinação.

Na ausência de atestado médico serão aceitas: cópias das três últimas receitas e laudo do exame que comprove a comorbidade.

Prefeituras de Itaguaí e Seropédica intensificam vacinação contra a Influenza

Campanha continua e público alvo são profissionais de saúde, crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes e puérperas nesta primeira fase

Em 23 de abril de 2021 / Julio Andrade

Itaguaí e Seropédica – As prefeituras de Itaguaí e Seropédica, darão prosseguimento à vacinação contra a Influenza em seus territórios. Desde o começo da semana, ambos os municípios já iniciaram a campanha de vacinação.

Em Itaguaí, à partir da próxima segunda-feira, de 26 a 30 de abril, a Prefeitura de Itaguaí, por meio da Secretaria de Saúde, dará continuidade à campanha de vacinação contra a influenza.

A imunização acontecerá das 13h às 16h, nas Unidades de Saúde e Estratégia de Saúde da Família, e serão vacinados profissionais de saúde, crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes e puérperas.

É necessário levar cartão de vacinação!

Em Seropédica, já um calendário definido com a primeira e a segunda fase.

Vacinação de profissionais de educação na cidade do Rio é adiantado e começa já amanhã

Podem se vacinar professores e profissionais lotados em unidades da Secretaria Municipal de Educação, Secretaria de Estado de Educação, Faetec, CAp-Uerj ou instituições federais da cidade do Rio de Janeiro.

Em 16 de abril de 2021

A Prefeitura do Rio começa neste sábado (17/04) a vacinação contra COVID-19 de profissionais da educação básica que estão atuando presencialmente nas unidades de ensino municipais, estaduais e federais da cidade. Isso será possível graças a novas remessas de imunizante que chegaram.

🗓 Serão vacinados, já neste sábado (17/4), das 8h ao meio-dia, professores e profissionais da educação com 55 anos ou mais que trabalham diretamente nas unidades de ensino.

🗓 No próximo sábado, dia 24/4, serão vacinados os profissionais com 50 anos ou mais.

👉 A vacinação ocorre em todos os postos da Prefeitura do Rio, como as Clínicas da Família.

👉 Podem se vacinar professores e profissionais lotados em unidades da Secretaria Municipal de Educação, Secretaria de Estado de Educação, Faetec, CAp-Uerj ou instituições federais da cidade do Rio de Janeiro.

👉 É preciso levar os dois últimos contracheques e documento de identificação com foto.

As aulas presenciais na cidade do Rio de Janeiro já ocorrem desde a semana passada.

“Priorizar a educação e retomar a rotina das nossas crianças o mais rápido possível é uma questão de responsabilidade”, diz o governo.

Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro

Calendário de vacinação unificado contemplará educadores de Itaguaí, Rio de Janeiro, Maricá e Niterói já em abril

Além dos educadores, profissionais de limpeza urbana e das forças policiais e de salvamento estão no grupo de prioridades. Perspectiva é vacinar todos os profissionais e população acima de 45 anos até o final do mês de maio.

Em 14 de abril de 2021 / JúlioAndrade

Rio de Janeiro – Em sua página no Facebook, a Prefeitura do Rio anunciou os critérios de priorização da vida e, junto às prefeituras de Niterói, Maricá e Itaguaí, unificou o calendário de vacinação contra a Covid-19 nos quatro municípios. Os grupos que começam a ser vacinados em 26/04 são os que estão sob maior risco de vida, segundo o órgão.

Após os maiores de 60 anos receberem a 1ª dose, então, a vacinação seguirá com os grupos prioritários e, dentro de cada um, será utilizado também critério de idade. A previsão é vacinar até o dia 29/05 todas as pessoas com 45 anos ou mais que se encaixam nos seguintes grupos 👇🏽

– Pessoas com comorbidades
– Pessoas com deficiência permanente

– Trabalhadores em atividade:
– da Saúde
– da Educação
– de serviços de limpeza urbana
– das forças policiais e de salvamento.

Com a unificação e pelo andamento da vacinação nos quatro municípios, já há quase que uma garantia que até julho esses profissionais estejam imunizados em sua totalidade, o que permitiria por exemplo o retorno às aulas presenciais em Itaguaí, caso até lá o sistema híbrido adotado no Rio não seja implementado também na cidade.

Live explica em detalhes sobre essa unificação e vacinação dos educadores

Municípios de São Paulo já estão vacinando educadores

No Estado de São Paulo, a vacinação contra a Covid-19 para os educadores começou na última segunda-feira. Veja alguns exemplos:

Jundiaí – São Paulo

Teve início na última segunda-feira (12), no Complexo Educacional, Cultural e Esportivo (CECE) Francisco Dal Santo (Vila Rami) em Jundiaí, São Paulo, a vacinação contra a Covid-19 dos profissionais de Educação, com idade a partir de 47 anos, que atuam presencialmente e diretamente com os alunos. A aplicação foi realizada pela Prefeitura de Jundiaí, por meio da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS). A aplicação para esse público prossegue até quarta-feira (14), a partir de agendamentos e apresentação de documentação necessária.

Baixada Santista

Na Baixada Santista, que contempla os municípios de Santos, Itanhaém, Guarujá, Cubatão, Bertioga, Mongaguá, São Vicente e Peruíbe, além dos professores, também serão imunizados outros trabalhadores que atuam no ambiente escolar, como merendeiras, faxineiras, secretários da escola, coordenadores pedagógicos, diretores, vice-diretores e cuidadores. Todos os profissionais devem ter mais de 47 anos e estarem atuando na área. A medida que a vacinação ocorre, a faixa etária vai sendo gradativamente reduzida.

Minas Gerais

Em Minas Gerais o governador Romeu Zema do Novo, formalizou um pedido ao Ministério da Educação para que a comunidade escolar seja incluída como grupo prioritário no Plano Nacional de Imunização contra a COVID-19. O ofício foi enviado na sexta-feira (9/4).

Rio de Janeiro

Já no Estado do Rio de Janeiro, a justiça restabeleceu a prioridade para professores e policiais na vacinação. Uma liminar havia sido concedida no último dia 5 de abril e nela determinava a retirada dos professores do grupo. O pedido de retirada dos professores das prioridades foi feito numa ação movida pela Defensoria Pública e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, que pediram a adoção de critérios previstos em nota técnica do Ministério da Saúde.

Porém, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Henrique Carlos de Andrade Figueira, restabeleceu a validade do decreto estadual que incluiu professores e policiais entre os integrantes de grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19.
Segundo ele, é preciso “acatar a análise do poder executivo local, que tem legitimação concorrente para adotar planos de ação para o enfrentamento da peste.”
Para o presidente do TJ-RJ, a liminar extrapolava “o limite de atuação do Poder Judiciário ao decidir de forma unilateral com base em informações de somente uma das partes em grave ofensa ao contraditório e ampla defesa, produzindo grave lesão à saúde pública por ignorar a orientação técnica dos órgãos públicos estaduais.”
Em nota, a Defensoria Pública do Rio de Janeiro afirmou que vai recorrer da decisão do presidente do Tribunal de Justiça fluminense.

Vacinação contra a H1N1 em todo Estado começa amanhã

Imunização deveria ter começado na segunda (12), mas só vai ter início mesmo amanhã quarta (14). Secretaria de Saúde disse que preferiu priorizar a distribuição das vacinas contra a Covid-19. Tira suas dúvidas sobre a vacina mediante a vacina contra a Covid-19. Seropédica já começa a vacinar nesta quarta contra a Influenza. Vacinação contra a Covid-19 continua ocorrendo em todo estado. Veja o calendário de quarta para Itaguaí, Seropédica e Rio de Janeiro.

Em 13 de abril de 2021 / Júlio Andrade

Rio de Janeiro – O Ministério da Saúde lançou, nesta segunda-feira (12), a Campanha Nacional contra a vacinação, mas no Rio de Janeiro, o governo do estado adiou para quarta-feira (14) o início dos trabalhos.

A secretaria estadual de Saúde disse que decidiu priorizar a distribuição das vacinas contra a Covid-19 e, segundo o secretário, nesta terça-feira (13), as 500 mil doses de vacina contra a gripe vão ser distribuídas pelos 92 municípios.

Alguns municípios chegaram a anunciar que começariam a vacinação contra a gripe na segunda. No entanto, as cidades não receberam as doses, como foi o caso de Nova Iguaçu.

A Prefeitura de Duque de Caxias informou que também não recebeu as vacinas.
Ainda não há uma explicação para o atraso. O Governo do Estado confirmou apenas que a vacinação começará na quarta.

Seropédica

O município de Seropédica começa a imunização já amanhã cedo e já divulgou o calendário.

Três etapas

A expectativa é que sejam imunizadas 6,8 milhões de pessoas, o que corresponde a 90% dos grupos prioritários, como crianças de seis meses a menores de seis anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas, entre outros.
A vacinação será feita em três etapas:

Primeira fase: crianças maiores de 6 meses e menores de 6 anos (até 5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde;

Segunda etapa: idosos com 60 anos ou mais e professores;

Terceira etapa: pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário passageiros urbanos e de longo curso, trabalhadores portuários, profissionais das forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

Vacinação H1N1 e vacinação Covid-19 como tomar as duas?

Caso o público-alvo da imunização contra a gripe tenha recebido a vacina da Covid-19, deve aguardar para receber a dose contra o H1N1 respeitando o intervalo de, no mínimo, 14 dias após o recebimento da segunda dose.

Posso tomar junto com a vacina contra o novo coronavírus?

Não. Como não existem estudos da aplicação conjunta das duas vacinas, a recomendação do Ministério da Saúde é que exista um intervalo de 14 dias entre a aplicação dos dois imunizantes. “Não há nada dizendo que existe perigo, mas, na ausência de estudos, o mais recomendado é que se respeite esse intervalo entre vacinas”, explica Isabella Ballalai, vice-presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

Segundo ela, a recomendação é que, se existe uma chance de tomar a vacina contra o novo coronavírus em breve, ela seja priorizada. “Mas as duas doenças são graves e podem levar à morte, portanto, é importante que a vacina da gripe seja aplicada após o intervalo indicado”, alerta a especialista.

Qual a tecnologia da vacina da gripe?

A vacina da gripe contém o vírus inativado (no caso, o influenza e alguns subtipos) que, ao entrar em contato com as células do nosso corpo, provoca uma resposta imunológica, criando anticorpos para esse patógeno. Se o vírus tentar infectar o organismo, essa defesa é reativada por meio da memória do sistema imunológico, eliminando a ameaça antes que ela provoque a doença.

O H1N1 é um subtipo do influenza considerado bastante perigoso —ele é conhecido por provocar complicações como pneumonia, especialmente em grupos de risco como idosos, gestantes e crianças pequenas.

Além dele, a vacina da gripe na rede pública é a trivalente e inclui cepas de outros dois subtipos do influenza: o H3N2 e um subtipo de influenza B (Victoria). Na rede privada, a vacina comercializada é a tetravalente e inclui uma cepa a mais do vírus influenza B.

Vale lembrar ainda que, como o influenza tem uma alta taxa de mutação, a vacina precisa ser reaplicada todos os anos com o tipo mais prevalente no período de observação epidemiológica.

Ela protege contra o novo coronavírus?

Não. A vacina da gripe protege apenas contra o vírus influenza (e alguns subtipos mais comuns). Não há nenhuma evidência científica até agora que indique que o corpo tem uma resposta imunológica ao novo coronavírus por conta da vacina da gripe.

Quais as recomendações para tomar a vacina de forma segura?

As estratégias da campanha de 2020, que aconteceu também em plena pandemia, ainda valem: tentar evitar horários de pico, levar apenas um acompanhante (se for necessário) e ainda manter o distanciamento social, o uso de máscara (se possível, as melhores são as tipo PFF2/N95) e álcool em gel.

Estou gripado. Posso tomar vacina da gripe?

Em tempos de novo coronavírus, não. “Em situações normais, se o indivíduo não estiver com febre alta, mesmo resfriado ou gripado poderia, sim, tomar a vacina”, explica Isabella Ballalai. De acordo com a especialista, no entanto, no contexto da pandemia, é melhor suspender a aplicação visando reduzir as chances de transmitir o novo coronavírus durante a ida até o posto de vacinação, caso você esteja contaminado e não saiba.

Nos casos de quem está com covid-19, o Ministério da Saúde recomenda adiar a vacinação por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas.

A vacina da gripe pode dar reação? Ela tem efeitos colaterais?

É bastante comum ouvir falar que a vacina da gripe deixou a pessoa doente. Isso não é verdade. “A vacina não provoca a doença”, afirma Isabella Ballalai.
De acordo com ela, o mais comum é que o local da aplicação fique dolorido. Inchaço e vermelhidão também são comuns. Há ainda a possibilidade de febre baixa, especialmente em crianças pequenas, mas os sintomas costumam desaparecer em até 48 horas.

Além disso, a vacina da gripe é uma das mais seguras atualmente e não há efeitos colaterais conhecidos por conta da aplicação do imunizante.

Com G1 e Uol

Calendário de vacinação contra a Covid-19

Itaguaí

Seropédica

Rio de Janeiro

Mantida liminar que impede reabertura de escolas na capital; prefeitura do Rio entra com recurso

A ação popular foi protocolada por políticos de partidos como PT , PSOL e PCdoB. Uma das autoras da ação, a deputada estadual Renata Souza (Psol) afirmou, na ocasião, que se tratava de “uma vitória importante para evitar o alastramento do Covid-19 no pico da pandemia”. Não houve participação de nenhum sindicato na ação que impediu a reabertura

Em 06 de abril de 2021 / Matéria do jornal Extra

Rio de Janeiro – A juíza Georgia Vasconcellos da Cruz, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública, decidiu manter, nesta segunda-feira, a liminar concedida pelo plantão da Justiça do Rio, na noite de domingo, impedindo o retorno às aulas presencias nas escolas da capital do estado. Na decisão, a magistrada frisa que a Prefeitura do Rio “vem agindo de forma absolutamente consciente, responsável e atenta com o ensino escolar”, mas pondera sobre “a impossibilidade de cumprimento por muitas escolas dos rígidos e corretos protocolos de saúde exigidos”

No texto, a juíza afirma ainda que “a reabertura das escolas nesse momento é açodada e gerará frutos que a sociedade não quer colher”, enumerando em seguida problemas como a “propagação da Covid-19”, a “maior saturação do já combalido sistema de saúde” e o “reflexo direto na superlotação dos transportes públicos”. Por fim, a magistrada acrescenta que, embora “a criança não transmita o vírus da mesma maneira que o adulto, o professor ou qualquer outro profissional infectado é agente transmissor”.

A Prefeitura do Rio, porém, tenta reverter judicialmente a proibição de reabertura das escolas. Na noite desta segunda-feira, pouco depois da decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública, a Procuradoria-Geral do Município (PGM) informou ter entrado com um recurso junto à presidência do Tribunal de Justiça. Por nota, a PGM afirmou ter usado como argumentos “o cumprimento de todos os protocolos sanitários pelas escolas municipais, bem como o aval do comitê científico para o funcionamento das escolas da cidade, sejam elas públicas ou particulares”.

A decisão que resultou na proibição ocorrida domingo à noite foi tomada após ação popular protocolada por políticos de partidos como PT, PSOL é PCdoB. Uma das autoras da ação, a deputada estadual Renata Souza (Psol) afirmou, na ocasião, que se tratava de “uma vitória importante para evitar o alastramento do Covid-19 no pico da pandemia”. Além dela, houve importante participação da deputada Enfermeira Rejane do PCdoB.

Já o secretário municipal de Educação, Renan Ferreira, criticou duramente a decisão dos parlamentares que acionaram a Justiça contra a volta às aulas presenciais. Segundo o secretário, “o que fazem os autores desse pedido é, na prática, ajudar ainda mais a empurrar nossas crianças para as ruas, para os sinais, para a criminalidade”.

A ação popular protocolada por políticos de partidos como PT e PSOL. Uma das autoras da ação, a deputada estadual Renata Souza (Psol) afirmou, na ocasião, que se tratava de “uma vitória importante para evitar o alastramento do Covid-19 no pico da pandemia”.

Link da matéria do Extra

https://www.google.com/amp/s/extra.globo.com/noticias/rio/justica-do-rio-mantem-liminar-que-impede-reabertura-de-escolas-na-capital-prefeitura-entra-com-recurso-24957038.html%3fversao=amp

Calendário único irá abranger profissionais de educação de todo estado em vacinação contra a Covid-19

Intenção é que todos os profissionais de educação e de saúde de todos os municípios do estado sejam vacinados com a primeira dose até o final de abril

30 de março de 2021 / Julio Andrade

Rio de Janeiro – O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro, anunciou, nesta terça-feira (30/03), a criação de um Calendário Único de Vacinação contra a Covid-19. O objetivo é garantir a uniformidade na imunização em todas as regiões do estado e a prioridade da população de maior risco. De acordo com o decreto publicado nesta terça-feira, profissionais da área de segurança e salvamento passam a fazer parte do grupo prioritário e serão imunizados a partir do dia 12 de abril.

Além disso, a iniciativa visa intensificar a imunização para profissionais de saúde. Os mais de 320 mil que ainda não foram vacinados receberão a primeira dose até o dia 10 de abril.

Já os profissionais de Educação também estão no grupo prioritário e devem começar a ser imunizados na segunda quinzena de abril.

– O Calendário Único de Vacinação vai dar mais tranquilidade à população. Os prefeitos perceberam uma grande migração de pessoas para municípios vizinhos em busca da vacina. Nós queremos que a vacina chegue para todas as regiões do estado. A imunização é a nossa grande esperança, e vamos continuar trabalhando para que a vacinação prossiga da melhor forma possível – destacou Cláudio Castro.

O calendário único servirá como norte para os municípios para que todos possam acompanhar as fases de imunização. As cidades que já estão adiantadas em relação à vacinação do primeiro grupo previsto no calendário único poderão dar prosseguimento aos seus calendários. Entretanto, as secretarias municipais de Saúde deverão seguir os grupos previstos na 1ª fase de imunização, conforme preconizado no Plano Nacional.

Idosos apoiam calendário único

Dona Maria Cristina Cotia anda numa ansiedade que só. Aos 69 anos, a moradora de Volta Redonda conta os dias à espera da tão sonhada vacina contra a Covid-19. A expectativa aumenta a cada calendário que é anunciado por lá e nos municípios próximos, no Sul Fluminense. Com cronogramas diferentes em cada cidade, ela fica ainda mais tensa aguardando sua vez na fila. Por isso, apoia a criação do calendário único.

– É ótimo esse calendário, com tudo unificado no estado. Até porque cada cidade está com um cronograma distinto, vacinando pessoas de idades diferentes. A gente não fica sabendo direito em que idade está e fica meio perdida. Eu vou ficando ansiosa, cada vez mais apreensiva. Espero que todo mundo se vacine muito em breve – desabafou ela.

A criação do Calendário Único de Vacinação contra a Covid-19, que vai garantir a proteção da população de maior risco, foi uma proposta do governador em exercício Cláudio Castro, com resolução elaborada pela Secretaria de Estado de Saúde.

– Esse calendário é muito importante. Não vejo a hora de chegar a minha vez. Deve ser já na outra semana. Espero que chegue logo a esperada vez de tomar a vacina e que seja para todo mundo. Precisamos ficar protegidos dessa terrível doença – disse Ariete Coutinho, de 68 anos, moradora de Niterói.

Sônia Lourenço (foto abaixo), de 64 anos, que também mora na cidade da Região Metropolitana do Rio, espera retomar as atividades em breve.

– Minha expectativa é tomar a vacina e ficar livre da Covid. Quero voltar a trabalhar e ter novamente uma vida normal – resumiu Sônia.

Com a distribuição gradativa das vacinas contra a Covid-19 pelo Ministério da Saúde, as fases da campanha seguem avançando e abrangendo outros grupos prioritários. O calendário único norteará os municípios para que todos possam acompanhar as fases de imunização.