Arquivo da categoria: Epidemia

Escolas particulares de Caxias, RJ, devem retomar aulas presenciais na segunda-feira

Sindicato dos professores, no entanto, é contrário à decisão, assim como muitos pais de alunos. MP já se pronunciou contrário a abertura das escolas

As escolas particulares de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, devem retomar as atividades na próxima segunda-feira (6).
De acordo com o Sindicato Estadual dos Professores (Sepe), a decisão foi tomada após uma reunião entre grupo de donos e representantes de escolas particulares e o prefeito Washington Reis na quarta-feira (1).

As escolas da rede pública, no entanto, ainda não têm uma data definida para a volta às aulas. Segundo decreto da prefeitura, a previsão é que as atividades escolares permaneçam paralisadas até o dia 15 de julho.

Apesar da decisão das escolas e do prefeito, os sindicatos dos professores se posicionaram contra a reabertura das escolas particulares neste momento de pandemia.
“O prefeito Washington Reis ignora a Justiça e, assim, também ignora as recomendações da OMS, como as recomendações dos órgãos de Saúde, que dizem que o retorno às aulas precisa passar por uma série de protocolos e que, nesses protocolos, a educação infantil estaria em último estágio da volta às aulas”, diz a diretora do Sindicato Estadual dos Professores, Renata Rosseo.

A Prefeitura de Duque de Caxias informou que vai publicar nesta sexta-feira (3) um decreto municipal autorizando as escolas da rede particular de ensino a retomarem as atividades presenciais e que o documento irá tratar das medidas necessárias para a volta às aulas.
Duque de Caxias ocupava a 5ª posição no ranking de maior número de casos da Covid-19 no estado do RJ, com 3.239 casos registrados, e a 3ª posição em número de mortes, com 448, segundo o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde.

Recomendações do MEC

Na quarta-feira (1), o Ministério da Educação (MEC) lançou um protocolo de biossegurança com diretrizes para o retorno das atividades nas instituições federais de ensino.
O documento, que será lançado oficialmente por meio de portaria, já pode ser conferido em formato de cartilha na página especial dedicada ao coronavírus no portal do MEC.

As orientações foram elaboradas por uma equipe multidisciplinar formada por dois médicos, uma biomédica, um biólogo e uma sanitarista. O documento lista as recomendações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Entre as diretrizes, estão medidas coletivas e individuais, como manter portas e janelas abertas para ventilação do ambiente e lavar as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com álcool em gel 70%.
A cartilha também tem recomendações às instituições de ensino, como a garantia de aferição da temperatura de servidores, estudantes e colaboradores na entrada das salas de aula ou ambientes fechados.
Segundo o secretário de Educação Superior do MEC, Wagner Vilas Boas de Souza, o protocolo não é uma regra engessada, mas uma diretriz para nortear as instituições, que podem criar seus próprios protocolos.
Ele destaca, ainda, que as instituições estaduais e municipais podem adotar as recomendações da mesma cartilha.
O secretário de Educação Profissional e Tecnológico do MEC, Ariosto Antunes Culau, lembra que cada instituto e campus têm autonomia para definir o retorno às aulas presenciais, obedecendo ao que for estabelecido pelas autoridades locais.

O Ministério Público entende que essa decisão é ilegal e acredita quem em breve o juízo determine a proibição dessa abertura.

Com G1

Prefeitura de Itaguaí cancela aulas por 15 dias a partir desta segunda-feira

Seropédica, Mangaratiba, Angra dos Reis e quase todos os municípios Fluminenses adotam mesma medida. O Estado do Rio de Janeiro já havia dado férias escolares por 15 dias, a cidade do Rio por uma semana

A prefeitura Municipal de Itaguaí, cancelou as aulas na cidade por 15 dias, a partir já desta segunda-feira (16/03), por conta da pandemia de Coronavírus, que está assolando o mundo. No Brasil, mais de 100 casos já foram registrados, dentre esses 20 só no estado do Rio de Janeiro.

https://www.facebook.com/749442291821274/posts/2709599045805579/

Seropédica#ComunicadoOficial da prefeitura de Seropédica

Seguindo as orientações do Decreto do Estado do Rio de Janeiro para prevenção da propagação do Coronavírus (COVID 19), a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Seropédica informa que fica antecipado o “Recesso Escolar” do mês de julho para o período de 16 à 30 de março de 2020. Informa ainda que as escolas estarão com suas secretarias com funcionamento reduzido e restrito.
A Secretaria de Educação, Cultura e Esporte terá seu funcionamento normal e acompanha por novas orientações do Governo do Estado do Rio de Janeiro quanto ao enfrentamento do vírus.https://www.facebook.com/1386917698220679/posts/2607279969517773/

Covid-19: decreto com ações protetivas será publicadoA Prefeitura de Angra informa que vai divulgar nesse sábado, 14 de março, no Boletim Oficial do Município, disponível no site http://www.angra.rj.gov.br, um decreto com ações e medidas de prevenção da Covid-19 (novo Coronavírus).
Dentre as ações está a criação de um Gabinete de Crise, presidido pelo prefeito, com a participação das secretarias de Saúde, Educação, Assistência Social, Proteção e Defesa Civil, Segurança Pública, Procuradoria Geral do Município, Governo e Relações Institucionais e TurisAngra.
Outras medidas como a suspensão de 15 dias das aulas no município, a partir de segunda-feira, 16, a serem compensados em julho, e a suspensão de todas as aglomerações de pessoas, como a exemplo de cinema, teatro, shows e afins, vão ser tomadas.
“Estamos fazendo tudo com responsabilidade. De acordo com a necessidade, esse decreto poderá ser modificado ou mesmo estendido. Não temos nenhum caso da doença em Angra dos Reis. Estas ações visam a proteção da nossa população”, frisa o prefeito.
Vale ressaltar que, como medida protetiva, as Olimpíadas das Mulheres e o mutirão oftalmológico com alunos da rede municipal de educação, que estavam programados para esse sábado, dia 14, foram cancelados.

https://www.facebook.com/148243268612073/posts/2278866742216371/

Rio de Janeiro

Governo do estado do Rio de Janeiro

Outros municípios e instituições

 

O blog Boca no Trombone Itaguaí estará atualizando as informações a cada hora sobre essa pandemia e suas consequenciais…

Itaguaí tem infestação de pernilongos como jamais visto antes

Andar por Itaguaí tem sido um desafio ao anoitecer e durante todas as noites. Em diversos pontos da cidade, as pessoas são atacadas por dezenas de pernilongos. A quantidade é tão assustadora que no Centro da cidade, uma área urbana, a sensação é de que estamos no meio de um matagal mediante a quantidade espantosa de mosquitos. Não vemos a um bom tempo na cidade, nenhuma campanha ou combate aos pernilongos, que se proliferam mediante a diversos fatores como falta de limpeza nos canais públicos de esgoto, falta de chuva e o baixo nível dos córregos e dos rios, além do grande volume de matéria orgânica( já citado) que criam um ambiente favorável à proliferação e infestação de pernilongos. A obrigação de combate a essa praga é das prefeituras através da secretaria de saúde. Medidas como: A limpeza de córregos e de terrenos com a retirada de vegetação e entulho, além do plantio de Citronela, que serve como um repelente natural para o pernilongo, podem ajudar e muito nesse combate.

Colabore

A população pode contribuir para reduzir o aparecimento desses insetos que faz sua desova em criadouros com água parada e composta de matéria orgânica (fossas, valas, charcos, poças entre outros). A prevenção, então, se faz com a limpeza e cobertura desses criadouros, mantendo, também, os quintais livres de qualquer objeto capaz de armazenar água por menor que seja o volume. Assim você diminui a incidência de várias doenças causadas por diversos tipos de mosquitos.

 

Duas dicas caseiras para se livrar dessa praga

1 – Faça uma armadilha caseira para pernilongos. Um jeito fácil de eliminar uma infestação de pernilongos é com uma armadilha barata e caseira. Encontre uma lata ou pote usado e encha-o com vinagre cítrico de maçã. Pernilongos se sentem extremamente atraídos pelo cheiro de vinagre. Após encher a lata ou o pote, feche a tampa e faça pequenos buracos com uma unha ou prego. Deixe o pote no espaço que pernilongos costumam habitar, provavelmente sua cozinha ou área de alimentação. Você pode fazer diversos potes assim para deixar em múltiplos lugares, se for necessário.

  • Os pernilongos voarão no pote, mas não conseguirão sair dele. Assim que o pote ficar cheio de pernilongos, você não os notará voando por aí. Livre-se do pote e diga adeus a seu problema.
  • Se você não tiver vinagre cítrico de maçã em mãos, qualquer tipo de vinagre servirá. O vinagre branco comum funciona bem, ainda que você talvez queira adicionar algumas gotas de detergente (preferencialmente, os com cheiro de limão) ao pote para torná-lo mais apetitivo. Outra alternativa é cortar uma banana ou deixar uma casca dela no pote.
  • Se você não tiver nenhum pote com tampa disponível, faça outro tipo de armadilha ao cortar a parte superior de uma garrafa de refrigerante e virá-la ao contrário, formando um funil. Tampe a garrafa com esse funil e passe fita para prender bem.

2 – Faça uma armadilha de vinho e detergente.

  • Pegue um pequeno recipiente (como um copo de dose)
  • Despeje um pouco de vinho tinto até encher três quartos do copo. Essa é uma ótima maneira de usar aquele resto de vinho no fim da garrafa.
  • Adicione uma gota de detergente e misture gentilmente.
  • Deixe a garrafa por aí. Logo, milhares de pernilongos serão atraídos pelo vinho. Eles tentarão se sentar na superfície do líquido, mas o detergente acaba com a tensão da superfície do líquido. Por causa disso, os pernilongos afundam e se afogam.

 

EPIDEMIA DE ESPOROTRICOSE EM HUMANOS – VOCÊ SABE O QUE É?

Coluna Boca Saúde com D.r Rocindes Berriel

Esporotricose é uma micose que pode afetar animais e humanos, é causada pelo fungo Sporothrix schenckii e pelo Sporothrix brasiliensis. É incluída no grupo das micoses profundas e habitualmente afeta pele, tecido subcutâneo e os vasos linfáticos, mas pode afetar também órgãos internos. Temos acompanhado através da mídia uma epidemia no estado do Rio dessa doença. Na verdade desde o final da década de 1990, no Rio de Janeiro, tem sido grande a ocorrência da doença em animais, especialmente em gatos. Há tratamento para a micose, o animal não precisa ser sacrificado, mas tratado.

O fungo que causa a esporotricose normalmente habita o solo, vegetais, palha e também madeiras, podendo ser transmitido por meio de materiais contaminados. Animais contaminados também transmitem a doença, por meio de arranhões, mordidas e contato direto da pele com lesão. A contaminação do homem pode acontecer através de pequenos acidentes como um esbarrão ou uma pancada, em que a pele entre em contato com algum meio contaminado pelo fungo, se machucar em uma tábua úmida de madeira contaminada pode ser uma forma de contágio. Outra forma de contagio são os arranhões ou mordidas de animais que já tenham a doença ou contato com a pele diretamente com as lesões de bichos contaminados. Em humanos a doença se manifesta na forma de lesões na pele, que começam com um pequeno caroço vermelho, que pode virar uma ferida. Normalmente, surgem no braço, nas pernas ou no rosto, às vezes formando uma fileira de carocinhos ou feridas. O ideal é procurar um dermatologista para obter um diagnóstico adequado. De acordo com o Dermatologista Dr. Roberto Barbosa entre as formas cutâneas da esporotricose, encontramos: • Forma cutâneo-localizada: restrita à pele ou com discreto comprometimento linfático (íngua). É caracterizada por um nódulo (lesão elevada) avermelhado, que pode ser verrucoso (endurecido e com superfície áspera) ou ulcerado (ferido), geralmente recoberto por crostas. Esta forma também pode ocorrer nas mucosas (boca, olhos); • Forma cutâneo-linfática: é a forma mais frequente de manifestação da esporotricose.

A lesão inicial é um nódulo que pode ulcerar (ferir). A partir dela, forma-se um cordão endurecido que segue pelo vaso linfático em direção aos linfonodos (gânglios) e, ao longo dele, formam-se outros nódulos, que também podem ulcerar, dando um “aspecto de rosário”. Pode ocorrer o surgimento de ínguas, que são, geralmente, discretas ; • Forma cutâneo-disseminada: as lesões nodulares, ulceradas ou verrucosas se disseminam pela pele. Esta forma é mais comum em pacientes imunodeprimidos. Além da forma extra-cutânea, ocorrência mais rara, na qual a infecção atinge outros órgãos como: pulmão, testículos, ossos, articulações e sistema nervoso. Nesta forma, a via de contaminação costuma ser a ingestão ou inalação do fungo e também pode haver imunodepressão associada ao seu surgimento. O diagnóstico é feito através dos aspectos da lesão e a confirmação diagnóstica através da cultura do material obtido por curetagem da lesão, raspado de lesões abertas e aspirado de nódulos cutâneos. O tratamento é longo e pode durar meses ou mais de um ano. É importante que o paciente siga corretamente as orientações do tratamento. O recomendado pelos médicos é o uso de antifúngico receitado, além de outros fármacos prescritos. Na busca de medidas para tentar evitar a contaminação está a boa higienização do ambiente que ajuda a reduzir a quantidade de fungos dispersos.

Autora Colaboradora: Enfermeira Julliane Sobral

wp-1459232939471.jpeg

-Dr. Rocindes Berriel Cirurgião Dentista formado pela UERJ, professor de Educação Física, professor auxiliar de Bioquímica na FABA, especialista no Programa de Saúde da Família (PSF) – UGF, Curso Superior em Empreendedorismo e Inovação – UFF, especialista em planejamento, implementação e gestão em educação à distância – UFF, mestrando em Ciências – PPGEA – UFRRJ, especialista em gênero e sexualidade – IMS/UERJ

A coluna Boca Saúde sai todas às terças- feiras

Itaguaí inicia vacinação contra raiva em animais rurais

Meta é imunizar mais de 5 mil cabeças

Slide9

Bovinos, equinos e muares (o mesmo que mula e jumento) começaram a receber imunização contra a raiva. A ação é realizada pela Secretaria de Meio Ambiente (SMMA) de Itaguaí e acontece até o dia 30 de abril. A expectativa da SMMA é vacinar mais de 5 mil animais, todos com agendamento prévio. Nesta sexta-feira (8/4), a secretária da pasta Patricia Kajishima acompanhou a ação.

A imunização é realizada pela equipe da Secretaria de Meio Ambiente que é composta por um veterinário e três auxiliares agropecuário. O médico veterinário Adílio Francisco do Nascimento explicou que a vacinação é feita através de agendamento, facilitando o produtor.

 Slide10

– Nós vamos até o local e aplicamos a vacina em animais a partir dos três meses de idade. Agendamos as visitas de acordo com a disponibilidade dos produtores do município. O intuito dessa ação é proteger os animais e o ambiente rural da nossa cidade – disse o veterinário Adílio Francisco do Nascimento.

De acordo com a agente de desenvolvimento e médica veterinária da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-Rio), Joice Vilela, a vacinação é de extrema importância, pois a raiva é uma doença muito séria que pode ser transmitida para humanos, além de causar prejuízos ao produtor rural.

– Todos os anos são identificados cerca de 50 mil casos de raiva no Brasil. A maior ocorrência é em bovinos, em relação aos demais animais de produção. Por isso, o Ministério da Agricultura preconiza a vacinação anual pelo programa nacional. E em Itaguaí, esta prerrogativa também está sendo seguida. A transmissão da raiva ocorre depois que o morcego hematófago morde o boi, geralmente próximo aos pés, orelhas e outras extremidades de fácil acesso. Infelizmente, a doença não tem tratamento e o animal vem a óbito, causando prejuízo econômico ao produtor. A vacinação é muito importante para evitar a contaminação desses animais e até mesmo a transmissão para os humanos. Além disso, fortalece o relacionamento com o produtor que recebe orientações sobre a transmissão da doença e tira suas dúvidas – explicou Joice Vilela.

O produtor rural Antônio Pimentel, que tem sua fazenda há 15 anos em Piranema, Itaguaí, elogiou o trabalho da SMMA.

– Já perdi animais contaminados pela raiva e tive um grande prejuízo na minha produção de leite. Tenho cerca de 50 animais aqui na fazenda e ter uma equipe vindo aqui vaciná-los é muito bom. É uma excelente iniciativa – falou Antônio Pimentel.

 Slide11

Os produtores rurais interessados podem entrar em contato com a Secretaria de Meio Ambiente através dos telefones: 2688-6299 e 2688-1548. Os agricultores também fazem um cadastro com nome e telefone para registro no setor.

Foto Carlos Campos

Abandono e riscos de doenças em escolas de Itaguaí

 

ESTAMOS DE OLHO

Whatsapp Boca no Trombone

Alunos nos enviaram através de nosso Whatsapp, imagens do estado de duas escolas municipais de Itaguaí.

Uma é a escola municipal das Acácias em Chaperó  e a outra a escola municipal Oscar José de Souza na Ponte Preta.

E.M DAS ACÁCIAS – CHAPERÓ

Slide3

             Sala de aula com dois ventiladores quebrados e murais destruídos

Paredes descascando devido a umidade

                                     Paredes descascando devido a umidade

Slide8

                                                       Um visual de abandono

Janela e vidros quebrados

                                                      Janela e vidros quebrados

Banheiro danificado

                                                           Banheiro danificado

Climatização? Segundo os alunos não.

                                         Climatização? Segundo os alunos não.

As imagens, mostram a escola Acácias com sérios problemas de infraestrutura. Salas de aula sem sequer um ventilador em funcionamento a uma temperatura cada vez maior. Além disso, janelas quebradas e que oferecem riscos devido a seu material danificado, só aumentam os riscos aos alunos. A escola, que segundo a secretária de educação, está em processo de climatização, parece estar caminhando a passos de tartaruga nessa e em todas as demais questões.

Pombo e fezes põem em risco à saúde de alunos na Ponte Preta

E.M OSCAR JOSÉ DE SOUZA – PONTE PRETA

As fezes, se alastram por todo o espaço

                                       As fezes se alastram por todo o espaço

Já a escola municipal Oscar José de Souza, além de diversos problemas estruturais, ainda convive com a sujeira de fezes de pombos na quadra da escola. Apesar da interdição do espaço, a sujeira das fezes dos bichos, se espalha dentro e fora da quadra, devido a dezenas de ninhos construídos.

 

Sérias doenças são causadas por essas fezes de pombos. Essa imagem é do lado externo da quadra, onde alunos circulam durante todo o dia.

                          Sérias doenças são causadas por essas fezes de pombos e essa imagem é do lado externo da quadra, onde circulam os alunos

Slide13

         O sistema nervoso central das crianças, pode ser abalado pelas fezes secas

Com isso, a respiração desses dejetos e a sujeira em contato direto com a pele das crianças, podem causar diversas doenças. Inalá-las com a poeira urbana pode trazer de uma simples alergia de pele à sérios problemas de respiração e, até mesmo, afetar o sistema nervoso central. O contato com as fezes secas contaminadas por fungos pode provocar micoses e problemas respiratórios semelhantes à meningite, como histoplasmose e criptococose ou a clamidiose (bactéria), que causa sintomas variados, de febre à problemas na respiração.

Sinceramente, não sabemos se a escola tem mais alunos ou pombos.

Por email, entramos em contato com a prefeitura de Itaguaí.

Resposta da prefeitura de Itaguaí

Através de nota, a secretaria de educação de Itaguaí enviou sua resposta sobre os problemas aqui apresentados. No documento, o cronograma de atendimento para reparos nas unidades de ensino da cidade e também as escolas em processo de climatização.

image

image
image

 

Tem alguma notícia? Nos envie fotos, vídeos e relatos que elas podem aparecer aqui:

Whatsapp

Terreno em Itaguaí pode ser criadouro do mosquito Aedes em denúncia de moradora

Recebemos através de nosso Whatsaap, um vídeo com imagens feitas por uma moradora, no bairro Vila Ibirapitanga, mas precisamente na rua Tupis, lote 30 quadra 65.

Slide2

Local  pode abrigar animais como escorpião entre outros

A moradora, que é vizinha ao terreno e está grávida, relata que no lugar há sapatas abertas e elas tem servido de criadouros do mosquito Aedes Aegypti, transmissor de várias doenças, entre elas a Zika, que tem relação com a Microcefalia em bebês.

Slide1

                         O mato alto se destaca no terreno

Muitas pessoas ao redor, contrariam doenças relacionadas ao Aedes, segundo ela. Além dessa água parada, o local tem mato alto, sujeira, atrai ratos e  tem sido utilizado por usuários de drogas.

O local está aberto e pode servir para diversos fins nada corretos

     O local está aberto e pode servir para diversos fins nada corretos

Entre você também em contato conosco através do nosso Whatsaap, nos enviando fotos, vídeos e materiais que podem aparecer aqui no blog

Whatsapp

Governo Federal mobiliza 220 mil militares para orientar a população neste sábado em combate ao Aedes Aegypti

O Governo Federal realiza uma grande mobilização nacional contra o Aedes aegypti neste sábado (13), com a participação de 220 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica. Junto com profissionais dos estados e municípios, eles vão às ruas orientar a população sobre o combate aos criadouros do mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e do vírus Zika. O reforço das Forças Armadas estará distribuído entre cerca de 350 municípios das 27 unidades federativas. Cerca de 4 milhões de panfletos informativos serão distribuídos durante a ação.

 

Confira os números de militares por unidade da federação e a lista dos municípios que serão visitados no dia 13 de fevereiro.

Slide1

A região Sudeste irá receber o maior número de militares, com 104,4 mil homens atuando nas ruas. A região Centro-Oeste receberá 35 mil militares, seguida do Nordeste, com 28,6 mil; Norte, com 28,3 mil; e região Sul, com 23,7 mil militares.

 

Com caráter educativo, esta ação visa intensificar a conscientização da população para a importância de erradicar os criadouros do mosquito Aedes. Dentre os cerca de 350 municípios selecionados para a ação, estão as 115 cidades prioritárias, que tiveram incidência de dengue acima de 100 casos para cada 100 mil habitantes, nos meses de novembro e dezembro de 2015.

 

Durante todo o dia, serão distribuídos materiais informativos, com explicação das medidas de prevenção, além de orientações aos moradores sobre a importância do envolvimento de todos nessas ações.

 

Nas casas que estiverem vazias, o material informativo será deixado nas caixas de correspondência. Os donos de estabelecimentos comerciais também serão orientados a fixar cartazes em local visível e de fácil acesso.

 

Enquanto ainda existe disponível no mundo uma vacina para o vírus Zika, o combate aos focos do mosquito é a única forma de prevenção da doença, protegendo gestantes e crianças. Esse vírus tem sido associado ao aumento de casos de microcefalia em bebês quando as mães são infectadas durante a gestação.

 

Entre os dias 15 e 18 de fevereiro, haverá uma nova ação de combate ao foco dos mosquitos com a participação de 50 mil militares que estão sendo treinados para atuar nas regiões a serem indicadas pelas prefeituras e pelo Ministério da Saúde. Esta ação será de combate ao mosquito, e não apenas de orientação, e deverá incluir a aplicação de larvicidas e inseticidas.

 

PLANO NACIONAL – A iniciativa faz parte dos esforços do Governo Federal  previstos no Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e à Microcefalia, lançado pela presidente Dilma Rousseff em dezembro do ano passado. Ao todo, 19 ministérios e outros órgãos federais estão mobilizados para atuar conjuntamente neste enfrentamento, que contará também com a participação dos governos estaduais e municipais.

 

As visitas de rotina às residências para eliminação e controle do vetor ganharam o reforço das Forças Armadas, com mais de 2.400 militares capacitados até o momento, e de mais de 266 mil agentes comunitários de saúde, além dos 46,5 mil agentes de endemias que já atuavam regularmente nessas atividades. A orientação é para que esse grupo atue, inclusive, na organização de mutirões de combate ao mosquito em suas regiões.

 

Somam-se a esse esforço a mobilização voltada aos servidores públicos no dia 29 de janeiro, no chamado “Dia da Faxina”, cujo objetivo foi inspecionar e eliminar possíveis focos do mosquito nos prédios dos órgãos federais. A ação aconteceu em ministérios, autarquias, agências e demais órgãos vinculados, envolvendo cerca de 1,6 milhão de trabalhadores.

 

Sob a coordenação do Ministério da Defesa, as Forças Armadas fizeram um mutirão, entre os dias 29 de janeiro e 4 de fevereiro, para realizar a limpeza nas cerca de 1.200 unidades militares existentes no país.

 

Para reforçar as ações de mobilização dos servidores federais, foi publicado no Diário Oficial da União, no dia 2 de fevereiro, um decreto que determina adoção de medidas rotineiras de prevenção e combate ao vetor em todos os prédios públicos. Entre as medidas estão a realização de campanhas educativas, vistoria e retirada de criadouros do mosquito, além da limpeza das áreas internas e externas e o entorno das instalações públicas.

 

COMO ELIMINAR CRIADOUROS – Para erradicar o Aedes aegypti e todos os seus possíveis criadouros, o Ministério da Saúde recomenda à população a adoção de uma rotina com medidas simples para eliminar recipientes que possam acumular água parada. Quinze minutos de vistoria são o suficiente para manter o ambiente limpo. Pratinhos com vasos de planta, lixeiras, baldes, ralos, calhas, garrafas, pneus e até brinquedos podem ser os vilões e servir de criadouros para as larvas do mosquito. Outras medidas de proteção individual também podem complementar a prevenção das doenças, como o uso de repelentes e inseticidas para o ambiente.

 

O Brasil tem um programa permanente de prevenção e controle do Aedes aegypti, com ações compartilhadas entre União, estados e municípios, durante todo o ano. Além do desenvolvimento de ações de apoio a estados e municípios, responsáveis pela coordenação e execução destas ações, o Ministério da Saúde realiza a aquisição de insumos estratégicos, como inseticidas e kits de diagnósticos, para auxiliar os gestores locais no combate ao mosquito.

 

Os recursos federais destinados ao enfrentamento ao Aedes aegypti cresceram 39% nos últimos anos (2010-2015), passando de R$ 924,1 milhões para R$ 1,29 bilhão neste ano. Para 2016, a previsão é de um incremento de R$ 580 milhões, uma vez que o valor chegará a R$ 1,87 bilhão. Além disso, foi aprovado no orçamento um adicional de R$ 500 milhões para esta operação.

 

MICROCEFALIA – O Ministério da Saúde e os estados investigam 3.670 casos suspeitos de microcefalia em todo o país. Isso representa 76,7% dos casos notificados. De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, 404 casos já tiveram confirmação de microcefalia e/ou outras alterações do sistema nervoso central, sendo que 17 com relação ao vírus Zika. Outros 709 casos notificados já foram descartados. Ao todo, 4.783 casos suspeitos de microcefalia foram registrados até 30 de janeiro.

 

No total, foram notificados 76 óbitos por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto (natimorto) ou durante a gestação (abortamento espontâneo). Destes, 15 foram investigados e confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central, sendo que cinco tiveram identificação do vírus Zika no tecido fetal.  Outros 56 continuam em investigação e cinco já foram descartados.

 

Cabe esclarecer que o Ministério da Saúde está investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central, informados pelos estados e a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

 

 

Combate também em Itaguaí

Na cidade, as Forças Armadas terão uma ação conjunta com a Secretaria Municipal de Saúde de conscientização e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do vírus da zika e da Febre chikungunya. Cerca de 60 agentes de endemias do município também participarão da força-tarefa em diversas áreas da cidade, dando reforço no trabalho já realizado. Itaguaí já bateu a meta estabelecida pelo Governo Estadual, alcançando 39.613 imóveis visitados na cidade.

Em Itaguaí, o trabalho contará com a participação de 200 militares da Força Aérea Brasileira e 66 militares da Marinha do Brasil.

 

De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde de Itaguaí, Wilsa Mary Barreto, as Forças Armadas vão reforçar e corroborar com as atividades de combate ao mosquito já realizadas no município.

 

– Realizamos diversos programas para combater o mosquito Aedes aegypti, como visitas domiciliares feitas pelos agentes de combate à dengue, passagem do carro fumacê nas ruas, identificação em laboratório do vetor por parte da equipe de entomologia, ações em pontos estratégicos, como cemitérios, borracheiros, oficinas mecânicas, etc. Além disso, temos os programas desenvolvidos pela Gerência Técnica da Dengue, como o IEC/Dengue (Informação, educação e comunicação), que são desenvolvidos nas escolas municipais e estaduais – explicou a diretora de Vigilância em Saúde de Itaguaí, Wilsa Mary Barreto.

Fiocruz detecta vírus ativo do Zika em saliva

No entanto essa constatação não revela se a transmissão pela saliva é algo possível

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), órgão vinculado o Ministério da Saúde, divulgou nesta sexta-feira a constatação da presença do vírus Zika ativo (com potencial de provocar a infecção) em amostras de saliva e de urina de pacientes.

Para a pesquisa, foram analisadas amostras referentes a dois pacientes e as coletas realizadas durante a apresentação de sintomas compatíveis com o vírus Zika. A presença do material genético do vírus foi confirmada pela técnica de RT-PCR em Tempo Real. Também foi realizado o sequenciamento parcial do genoma do vírus. 

A evidência, no entanto, não é suficiente para afirmar que a presença do vírus na saliva pode infectar outras pessoas. Serão necessários outros estudos para analisar, por exemplo, qual o tempo de sobrevivência do vírus Zika e, após passar pelos sucos gástricos, se tem capacidade de infectar as pessoas. 

image

A recomendação, neste momento, é da cautela e de prevenção, com orientações conhecidas para outras doenças, como evitar compartilhar objetos de uso pessoal (escovas de dente e copos, por exemplo) e lavar as mãos. Os maiores cuidados devem ser tomados pelas grávidas, que já devem se proteger contra o mosquito Aedes aegypti. 

Saiba mais em www.fiocruz.br

Casos de dengue no país aumentam 234% e chegam a 745,9 mil neste ano

Desde o início do ano até o dia 18 de abril, o país já registrou 745,9 mil casos de dengue – um aumento de 234,5% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 223,2 mil casos da doença. Os números foram divulgados hoje (5) pelo Ministério da Saúde.

 

De acordo com o balanço, a Região Sudeste apresenta a maior incidência de dengue, com 575,3 casos para cada 100 mil habitantes (489.636 casos no total); seguida das regiões Centro-Oeste, com 560,7 para cada 100 mil habitantes (85.340 casos no total); Nordeste, com 173,7 para cada 100 mil habitantes (97.591 casos no total); Sul, com 159,8 para cada 100 mil habitantes (46.360 casos no total) e Norte, com 156,6 para cada 100 mil habitantes (27.030 casos no total).

Segundo a pasta, foram confirmadas 229 mortes causadas pela doença nas 15 primeiras semanas do ano – um aumento de 44,9% em relação ao mesmo período de 2014, quando foram registradas 158.

 

Além disso, até o dia 18 de abril, foram registrados 404 casos graves de dengue – aumento de 49,6% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 270 casos graves.

Tabela

Tire todas as sua duvidas e prevenções da doença clicando na imagem

dengue.org

 Fonte: Ministério da Saúde