Arquivo da categoria: EDUCAÇÃO

Justiça obriga prefeitura de Itaguaí a retornar com ônibus escolares de escolas rurais

Governo ainda desobedeceu acordo com o MP e manteve os estudantes sem o transporte nos ônibus e teve negado efeito suspensivo. Nesta semana os ônibus voltaram a atender as unidades. Em 2017 a intenção da prefeitura era fechar as escolas

Punição na covardia- Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por intermédio da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Educação, do Núcleo de Nova Iguaçu, obteve no último dia 04/09 junto à Vara da Família, da Infância, da Juventude e do Idoso de Itaguaí, decisão favorável para que o município restabeleça o serviço de transporte escolar público e gratuito para os alunos das escolas rurais Camilo Cuquejo e Santa Rosa. Em agosto deste ano, a promotora de Justiça Daniela Caravana, da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Educação, ajuizou Ação Civil Pública com pedido de antecipação de tutela para que a prefeitura retomasse o serviço em um prazo máximo de 48 horas.

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1199804323501709&id=100004164573853

Na ACP, a promotora informa que, desde o final do ano de 2017, a Prefeitura de Itaguaí vem tentando realizar o fechamento das escolas rurais em questão, as quais são de extrema relevância para a comunidade escolar a que pertencem, sendo certo que a primeira tentativa se frustrou após atuação resolutiva da PJTC da Educação do Núcleo de Nova Iguaçu. Com o apoio do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE – gestão anterior) encerrada no mês de julho de 2018, Conselho Municipal de Educação presidida na época em 2017 por Anna Paula Sales, atual presidente do Conselho do Fundeb e de Conselhos Escolares, a Prefeitura foi obrigada a revogar a Resolução 66/2017, que previa o fechamento das referidas unidades escolares.

A prefeitura de Itaguaí, juntamente com a secretaria municipal de Educação, no início do ano letivo de 2018, novamente tentou esvaziar as referidas unidades escolares, forçando os pais e responsáveis dos alunos a realizarem as respectivas matrículas em outras unidades, sob o argumento de maior proximidade com suas residências. Entretanto, ao saber de tal manobra, o MPRJ promoveu reunião com a secretaria municipal para esclarecer que a transferência não possuía sustentação, apresentando estudo que evidenciava que a distância entre as escolas era de apenas cerca de 3,6 km e não justificava a decisão, já que o percurso, de veículo automotor, levaria menos de 10 minutos para ser realizado.

Além disso, a promotora destacou que ambas as escolas possuem currículo rural, ampla área de lazer, cultivo de horta e outras atividades que as outras escolas, para as quais as crianças seriam transferidas, não abrangiam. Diante do evidente prejuízo aos alunos, a secretaria se comprometeu a reavaliar a transferência das crianças de uma escola para a outra.

O fato, porém, não ocorreu, e, no final de maio e meados de agosto, chegaram ao MPRJ declarações de algumas mães da Camilo Cuquejo e da Santa Rosa informando que não estava sendo disponibilizado pela prefeitura transporte público escolar para os seus filhos. Diante de tal notícia, não houve qualquer dúvida para o MPRJ que o município de Itaguaí não tinha desistido de fechar as escolas rurais e sua real intenção era desestimular a matrícula e permanência em tais unidades. E, de forma ilegal, pretendia revalidar a resolução 66/2017, ferindo os ditames constitucionais da garantia ao aluno de seu direito público subjetivo de acesso ao ensino obrigatório e gratuito, conforme termos da Constituição em seu artigo 208, incisos I, VII e paragrafo 1º, independentemente do local de sua residência.

Em sua decisão, a juíza Bianca Paes, que estipulou multa de R$ 50 mil em caso de descumprimento da sentença, afirma que a medida visa garantir o exercício do direito fundamental da educação dos menores e que o Judiciário deve atuar sempre que o vácuo administrativo inviabilize o exercício de direitos assegurados. A magistrada também citou outras decisões similares tomadas pelo Judiciário nos municípios de Mendes e Laje do Muriaé.

Anúncios

Manifestação contra prefeito de Itaguaí marca essa segunda-feira

Servidores ficaram indignados com discurso de Charlinho no dia do desfile cívico

Dezenas de pessoas estão marcando uma manifestação que ocorrerá hoje às 17 horas no Centro de Itaguaí. Mais precisamente na Praça Vicente Cicarino. O manifesto é pedindo a saída do prefeito Carlo Busatto Júnior, o Charlinho MDB. A adesão contará com vários servidores e pais de alunos que prometem fazer barulho. O sindicato do Movimento Unificado dos Servidores Públicos de Itaguaí (MUSPI), é que está organizando o evento.

Charlinho ficou com a imagem ainda mais arranhada na cidade após o desfile de sete de Setembro, realizado no dia 06/09 no parque de Eventos da cidade. Em seu discurso e debaixo de muitas vaias, ele atribuiu o mal momento da cidade aos profissionais que atuam em Itaguaí mas moram em outros municípios. Segundo ele, o professor que atua com outra matrícula fora da cidade deixa Itaguaí de lado e não prioriza a terra de Teffé. Ainda em seu discurso, ele se referiu a essas pessoas e à todos os que residem fora de Itaguaí, dizendo que ele estará ao lado do povo e contra o que os não são moradores da cidade. Em seu discurso os classificou como desordeiros e que querem apenas o mal da cidade.

Assista

Mães de alunos protestaram no dia do desfile cívico. Segundo elas os uniformes fora entregues para pouquíssimas crianças. Algumas delas testemunharam que alguns estudantes tiveram que devolver a blusa do uniforme ao fim do desfile. A prefeitura disse desconhecer tal fato. Casacos, tênis e bermudas ainda não foram entregues a nenhum estudante da rede municipal de ensino de Itaguaí. Governo alega que até o final deste mês todos estarão com uniformes completos.

Indignados muito servidores alegam terem sido chamados de “forasteiros ” pelo prefeito da cidade.

Memória

Quando assumiu a prefeitura em 2005 em seu primeiro mandato, Charlinho contava com quase 80% dos servidores em regime de contrato temporário. Os salários dessas pessoas era de um salário mínimo em média sem nenhum adicional. Após ver a vitoria de Luciano Mota nas urnas em 2012, Charlinho concecedu auxílios aos servidores como alimentação e passagem, algo que em todo seu mandato não havia ocorrido. Além disso convocou milhares de concursados ultrapassando e muito o número de vagas disponíveis em um concurso público realizado por ordem judicial um ano antes das eleições. Essas convocações foram feitas para que o futuro prefeito eleito Luciano Mota, desse posse em janeiro aos novos servidores. Quatro anos após essas atitudes, Charlinho retirou o auxílio alimentação de muitos servidores e reduziu pela metade os valores do auxílio transporte. Os seus antecessores conseguiram manter esses auxílios e coube a Charlinho reduzir drasticamente os auxílios que ele mesmo criou.

“Kit gay”: Livro mostrado por Bolsonaro no Jornal Nacional nunca foi distribuído em escolas

Revista Fórum

Fake news: Bolsonaro mentiu em rede nacional ao falar sobre o inexistente “kit gay” e tentar mostrar um livro sobre sexualidade que seria distribuído em escolas públicas; Ministério da Educação já havia desmentido a informação em 2016 e esclarecido que o livro em questão jamais foi comprado pelo governo brasileiro ou distribuído em escolas. Confira

Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL, mentiu em rede nacional na noite desta terça-feira (28) ao tentar atacar políticas anti-homofobia nas escolas. Na entrevista ao “Jornal Nacional”, ele citou o famigerado “kit gay”, que nunca existiu, e afirmou que um livro sobre sexualidade destinado a adolescentes é distribuído em escolas públicas.

A fala se deu quando tentava justificar frases homofóbicas proferidas em 2010. Na época, o parlamentar teceu críticas a um evento de cunho LGBT que aconteceu na Câmara dos Deputados. A mentira já começou quando afirmou que, na ocasião, estava sendo realizado o “9º Seminário LGBT infantil”. O evento, no entanto, se tratava do “9º Seminário LGBT” com o tema “infância e sexualidade”.

O militar da reserva, então, disse que no evento estava sendo lançado o livro “Aparelho Sexual e Cia” que, segundo ele, seria distribuído em escolas públicas.

Bolsonaro tentou mostrar o livro ao vivo e ainda afirmou: “Tirem as crianças da sala, se bem que na biblioteca das escolas públicas tem”.

O tal livro, no entanto, jamais foi comprado pelo governo brasileiro ou distribuído em escolas públicas. A informação já havia sido desmentida pelo Ministério da Educação em uma nota divulgada em 2016.

“O Ministério da Educação (MEC) informa, em nota, que não produziu e nem adquiriu ou distribuiu o livro “Aparelho Sexual e Cia”, que, segundo vídeo que circula em redes sociais, seria inadequado para crianças e jovens brasileiros. O MEC afirma ainda que não há qualquer vinculação entre o ministério e o livro, já que a obra tampouco consta nos programas de distribuição de materiais didáticos levados a cabo pela pasta”, diz a nota.

Confira a íntegra.

O Ministério da Educação (MEC) informa, em nota, que não produziu e nem adquiriu ou distribuiu o livro “Aparelho Sexual e Cia”, que, segundo vídeo que circula em redes sociais, seria inadequado para crianças e jovens brasileiros. O MEC afirma ainda que não há qualquer vinculação entre o ministério e o livro, já que a obra tampouco consta nos programas de distribuição de materiais didáticos levados a cabo pela pasta.

O vídeo que circula nas redes sociais sustenta que o governo distribuiu e, assim, estaria “estimulando precocemente as crianças a se interessarem por sexo”.

O Ministério da Educação informa que o livro em questão é uma publicação da editora Cia das Letras e que a empresa responsável pelo título informa, em seu catálogo, que a obra já vendeu 1,5 milhão de exemplares em todo o mundo e foi publicada em 10 idiomas.

As informações equivocadas presentes no vídeo, inclusive, repetem questão que tinha sido esclarecida anos atrás. Em 2013, o Ministério da Educação já havia respondido oficialmente à imprensa que “a informação sobre a suposta recomendação é equivocada e que o livro não consta no Programa Nacional do Livro Didático/PNLD e no Programa Nacional Biblioteca da Escola/PNBE”.

O ministério também disse que a revista Nova Escola, edição 279, de fevereiro de 2015, que traz a matéria “Educação sexual: Precisamos falar sobre Romeo…”, uma reportagem sobre sexo, sexualidade e gênero, dirigida a professores, “não é uma publicação do MEC, e sim da Editora Abril”.

O vídeo que apresenta as obras como sendo do MEC, em nenhum momento, comprova a vinculação do Ministério aos materiais citados, justamente porque essa vinculação não existe”, enfatiza a nota, divulgada, na noite desta quarta-feira (13), pelo ministério.

Alerj aprova passe livre para todos os estudantes de faculdades e cursos técnicos em transportes intermunicipais

Agora para virar lei depende apenas da sanção de Pezão

Extra

A Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou, no fim da tarde desta terça-feira um projeto de lei que garante passe livre a todos os estudantes de faculdades e cursos técnicos das redes municipal, estadual e federal e privada, em transportes intermunicipais. A alteração na lei 4.510 ainda será analisada pelo governador Luiz Fernando Pezão, que, em 15 dias, poderá sancionar ou vetá-la.

Após a aprovação do reajuste de 5% para servidores do judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública, o governo do estado pode ter mais uma baixa nos cofres, visto que o projeto prevê o benefício, também, para todos os alunos de instituições particulares, sem qualquer comprovação de renda. Hoje, na lei original, a Secretaria estadual de Transportes (Seeduc) repassa para a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) o dinheiro referente às passagens de cada aluno de ensino fundamental e médio das redes estaduais e municipais e, em casos excepcionais, recebe uma iniciativa do governo federal, também prevista. É nesta contrapartida que o projeto se apoia para defender a viabilidade da alteração.

Procurada, a Fetranspor ainda não se pronunciou sobre o assunto. A Seeduc, por sua vez, disse que ainda não foi procurada pelo governo para tratar sobre a viabilidade da proposta.

VLT PODE PASSAR A FAZER PARTE DO BILHETE ÚNICO INTERMUNICIPAL

Um outro projeto de lei também foi aprovado na Alerj. O Bilhete Único Intermunicipal, tarifa integrada que já beneficia usuários de ônibus, metrô, trens e barcas, pode incluir, também, o VLT. O texto também segue para aprovação, ou não, do governador Pezão.

“Naquela época em que o Bilhete Único foi instituído, ainda não existia o modal VLT. Sendo assim, este projeto pretende atualizar a lei e beneficiar milhares de usuários fluminenses, que ficaram alijados desse tipo de transporte público”, argumentam os autores.

No Rio, 33 cidades são investigadas por fraudes na merenda

Itaguaí também está na mira, sendo investigada pelo Tribunal de Contas do Estado. Mangaratiba e Seropédica estão em situação semelhante

O jornal o Dia revelou 74 investigações de irregularidades no estado. Em Japeri, prefeito preso contratou R$ 2,2 milhões sem licitação

No retorno às aulas do segundo semestre, pais e filhos têm de volta a dura realidade das escolas públicas: merenda de má qualidade ou a falta dela. Levantamento inédito realizado pelo DIA, junto ao Ministério Público, revela a existência de pelo menos 74 inquéritos abertos atualmente que investigam irregularidades no fornecimento de alimentos a crianças e jovens da rede municipal em 33 cidades do estado nos últimos sete anos.

Em paralelo ao trabalho dos promotores, o Tribunal de Contas de Estado (TCE-RJ) fez auditorias em unidades educacionais e identificou problemas com a merenda em escolas de 17 municípios só no ano passado (alguns deles também são alvos do MP). A partir deste domingo, O DIA publicará uma série de quatro reportagens sobre o tema.

Na mira das investigações, há de tudo: superfaturamento na compra de mercadorias por empresas contratadas pelas prefeituras; desvio de dinheiro repassado pelo governo federal; furto de comida por servidores; falta de infraestrutura para armazenar produtos e de transparência na prestação de contas; fiscalização deficiente; alimentos com prazo de validade vencido; e cozinhas precárias.

Sobrepreço em 30 produtos

Em Mesquita, na Baixada Fluminense, o MP instaurou inquérito com base em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), concluída no fim do ano passado. Em 537 páginas, o relatório apontou que o prefeito Jorge Miranda (PSDB) contratou, sem licitação, a Alimentação Global Service Ltda por R$ 7,5 milhões durante seis meses. No entanto, segundo a CPI, havia um acordo ainda vigente com outra empresa para prestar o mesmo serviço. Integrantes da CPI também visitaram as 40 escolas municipais e encontraram comidas de má qualidade. Ao todo, a rede possui 13.190 estudantes.

Aluna do 7º ano da Escola Municipal Doutor Deoclécio Dias Machado Filho, Maria Luíza Silva, de 12 anos, confirma. Segundo ela, o cardápio, na maioria da vezes, tem apenas ovo, macarrão com cenoura e angu com carne moída. Frutas, sucos ou salada são artigos de luxo e desapareceram da despensa.

“Almoço em casa e levo um biscoito porque a escola não oferece mais lanche”, reclama a jovem. Com salário de R$ 1.560 de atendente, a mãe da menina, Maísa Souza da Silva, de 42 anos, lamenta a situação: “A minha filha é uma excelente aluna, mas deve ficar reprovada porque está sem motivação.”

Preso na última sexta-feira por associação a traficantes, o prefeito de Japeri, Carlos Moraes (PP), fez três contratos com DN Grill Produtos Alimentícios LTDA, com sede no município, de quase R$ 8 milhões. Em um deles, de R$ 2,2 milhões, sem licitação, os auditores do TCE-RJ encontraram indícios de sobrepreço em 30 mercadorias.

A farinha de aveia foi adquirida pelo preço 186,9% maior. No biscoito de maisena, a prefeitura pagou 67,5% mais caro. No feijão carioca, o acréscimo chegou a 76,2%. O sal, por sua vez, registrou alta de 53%.

O DIA foi aos dois endereços da DN Grill disponíveis no contrato com a prefeitura de Japeri e na Receita Federal. Um dos imóveis (na Rua Ivan de Azevedo 4, em Engenheiro Pedreira) estava fechado em pleno horário comercial; no outro (na Rua Francisco Antônio Russo, lote 16, no mesmo bairro), o minimercado tinha as prateleiras vazias e não havia sido inaugurado.

Um dos sócios da DN Grill é Daniel Rodrigues das Neves. Nas eleições para prefeito, em 2016, ele e a família pediram votos para Carlos Moraes.

Endereço citado pela DN Grill em Engenheiro Pedreira, Japeri: no local, não havia comércio de alimentos funcionandoArmando Paiva

Imagem de merenda da rede municipal de Mesquita está no relatório da CPI que apontou os problemasReprodução/CPI da Merenda

Maísa Souza da Silva conta que a filha Maria Luiza, de 12 anos, tem de almoçar em casa e levar biscoito.

Abaixo os municípios que estão sendo investigados:

Fonte: O Dia

Leia mais:

Onde está o conselho de alimentação escolar (CAE) de Itaguaí?

Presidente do Conselho do Fundeb é impedida de fiscalizar Prefeitura de Itaguaí

Além de impedida de exercer o seu papel, conselheira é acusada de ter conduta inidônea e ameaçada de afastamento pela secretária de Educação e Cultura Andreia Cristina Bussato

Jornal Atual.

ABSURDO – O que era para ser mais uma das atividades comuns da agenda de trabalho da presidente do Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação em Itaguaí (Cacs-Fundeb Itaguaí) revelou-se mais uma seara em que fica clara a posição antidemocrática e desrespeitosa do governo do prefeito Carlo Busatto Junior em relação aos instrumentos de controle social de suas ações como administrador público, bem como de alguns de seus comandados. Isso porque, exercendo as prerrogativas de seu cargo, a presidente do Cacs-Fundeb Itaguaí, Anna Paula Albuquerque Sales, tentou fazer uma inspeção nos ônibus escolares estacionados no pátio da Secretaria Municipal de Transportes, mas foi impedida de fazê-lo.

Depois do ocorrido, Anna Paula Sales publicou na rede social Facebook uma filmagem do momento em que era impedida de exercer o seu papel na condição de conselheira e, mais ainda, de responsável pelo órgão destinado a fiscalizar a qualidade da educação oferecida às crianças em seus mais variados aspectos. Na filmagem ela mostra o instante em que, alegando a não existência de uma autorização, um homem a impediu de dar sequência à fiscalização, o que contraria a legislação no que tange às regras que devem nortear as relações entre os Cacs-Fundeb e as administrações públicas municipais. De acordo com a legislação, o Poder Executivo deve oferecer ao Cacs-Fundeb o necessário apoio material e logístico, garantindo-lhe condições de desempenhar suas atividades e, efetivamente, exercer suas funções.

Com relação ao transporte escolar, alvo das intenções da presidente Anna Paula Sales durante a incursão ao pátio da Sectran, a Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007 é específica em seu Artigo 25, parágrafo único, quando estabelece que os Cacs-Fundeb poderão, sempre que julgarem conveniente, realizar visitas e inspetorias in loco para verificar a adequação do serviço de transporte escolar. “Assistam meu povo!!! Não querem que eu fiscalize mais nada!!! Tirem suas próprias conclusões!!! Esse vídeo foi feito no pátio da Sectran, onde verificaríamos os ônibus escolares, e essa pessoa, apresentou-se como diretor de Transportes, que, segundo eu soube, foi cabo eleitoral e assessor de vereador da base aliada do governo!!! E ainda por cima, depois de tudo isso o secretário de Transportes teve a cara de pau de fazer um relatório contra mim para a Procuradoria tomar as medidas contra mim… Fala sério né ???”, reagiu, indignada a presidente do Cacs-Fundeb Itaguaí.

Além de impedida de exercer sua função, Anna Paula Sales foi acusada de adotar uma conduta inidônea, o que, segundo nos ensina o dicionário, é sinônimo daquilo “que não serve para; que não convém; que é impróprio, inadequado, indevido; que não possui as condições ou os requisitos necessários; que é inapto, incapaz, incompetente; que não é moralmente correto”. Não bastasse isso, Anna Paula Sales foi também surpreendida ao tomar conhecimento de um ofício por meio do qual a secretária municipal de Educação e Cultura, Andréia Cristina Marcello Busatto, solicita ao procurador-geral do município providências para que ela seja afastada da presidência do Cacs-Fundeb Itaguaí e até mesmo de suas funções como integrante do colegiado que fiscaliza as ações do Executivo em Itaguaí. “Segue para conhecimento de todos… Por que será heim???”, indagou a presidente agora ameaçada.

Compromisso com a qualidade da educação

Na página do Ministério da Educação na internet, o Fundeb é apresentado como um importante compromisso da União com a educação básica, ao aumentar o volume anual dos recursos federais, materializar a visão sistêmica da educação, financiar todas as etapas da educação básica e reservar recursos para os programas direcionados a jovens e adultos.

Por meio do Fundeb, o Ministério de Educação executa o projeto de distribuir os recursos pelo país, levando em conta o desenvolvimento social e econômico das regiões. A complementação do dinheiro aplicado pela União é direcionada às regiões nas quais o investimento por aluno seja inferior ao valor mínimo fixado para cada ano. Ou seja, o Fundeb tem como principal objetivo promover a redistribuição dos recursos vinculados à educação.

A destinação dos investimentos é feita de acordo com o número de alunos da educação básica, com base em dados do censo escolar do ano anterior. O acompanhamento e o controle social sobre a distribuição, a transferência e a aplicação dos recursos do programa são feitos em escalas federal, estadual e municipal por conselhos criados especificamente para esse fim, como é o caso do Cacs-Fundeb Itaguaí. Em sua página na internet, o Ministério da Educação assegura que promove a capacitação dos integrantes dos conselhos.

O artigo 24 da Lei nº 11.494/2007 e o art. 10 do Dec. nº 6.253/2007, por suas vezes, estabelecem a obrigatoriedade de criação, no âmbito de cada esfera governamental, dos Conselhos de Acompanhamento e Controle Social do Fundo, fortalecendo, com essa exigência, a participação da sociedade na verificação da aplicação dos recursos públicos vinculados à educação.

Fonte: Jornal Atual

 

Abaixo, complemento do blog Boca no Trombone Itaguaí

 

Ministério Público cobra de prefeitura explicações sobre o caso

Enquanto isso muitas denúncias e graves problemas são encontrados na educação de Itaguaí. As maiores mídias do Estado também relataram os graves problemas encontrados pela presidente do Fundeb.

Professora usa caixotes de madeira como mesa em uma das escolas da cidade

Alunos sem mesa para escrever improvisam para continuarem estudando

Banheiros sem pia em muitas escolas

                                                           Janela prestes a cair. Perigo à vista

 

Escolas em péssimas condições

 

Sectran

REPARE O CRACHÁ DE IDENTIFICAÇÃO NO CONSELHEIRO À ESQUERDA. QUE COMPROVA SUA IDENTIFICAÇÃO

 

 

Conselheiros tiveram que chamar a polícia para realizarem vistoria no pátio da Secretaria de Transportes

 

Conselheiros haviam sido impedidos de fiscalizar a frota escolar. Quando acionaram a polícia conseguiram e verificaram graves problemas na secretaria de transportes. LEIA A LEI DE CRIAÇÃO DO FUNDEB. CLIQUE AQUI

 

Imprensa no caso dos uniformes escolares

Mídias de TV como Globo, Record e SBT, verificaram os fatos e realizaram reportagens pós denúncia do Fundeb. Justamente os conselheiros que denunciaram, são os que estão sofrendo dentro do conselho, entre eles a Presidente Anna.  Dentro do Conselho, maioria dos conselheiros tentam  retirar Anna Paula da presidência do Fundeb. Um dos relatórios de visitas realizados pela presidente foi cancelado por maioria dos membros do conselho que sequer foram na fiscalização.  Na última reunião que trataria do afastamento da presidente do conselho, a maioria dos conselheiros decidiu fazer uma reunião secreta, evitando assim a presença de populares, já que ampla divulgação da reunião havia sido dada nas redes sociais.

 

Clique na imagem abaixo e veja a matéria completa

Veja outras matérias sobre o caso

 

Problemas graves também com o Transporte Escolar do Alunos. Presidente do Fundeb Itaguaí também denunciou o problema. Compete ao Fundeb tal fiscalização. Contudo, apenas dois conselheiros tem atuado. Entre eles a Presidente

 

Clique na imagem e veja a matéria

 

Defensoria cobra explicações da prefeitura de Itaguaí sobre a falta de transporte escolar

Clique na imagem e veja a matéria

 

Pais de estudantes de Itaguaí reclamam de cortes na merenda

Clique na imagem e veja a matéria

 

A atuação da mãe de aluno e Presidente do Fundeb Anna Paula Sales, parece ter deixado apoiadores e o governo insatisfeitos.

 

Saiba ainda mais:

Conselheiros do Fundeb são impedidos de fiscalizar frota escolar na Sectran de Itaguaí

 

 

Colégio estadual Maria de Britto é assaltado em Itaguaí

Alunos tiveram seus celulares roubados e um professor foi ameaçado. Escolas municipais tem sofrido também com assaltos e violência. Mas diferente da prefeitura de Itaguaí e dirigentes escolares da cidade, direção e secretaria do Estado passaram os detalhes do ocorrido e das providências que serão adotadas

Jornal Atual

O Colégio Estadual José Maria de Brito, localizada na Avenida Deputado Octavio Cabral em frente ao terminal rodoviário, em Itaguaí, foi assaltado na tarde de ontem (10).

Segundo informações da diretora da instituição, Zélia Maria Corrêa, um homem armado invadiu o local, fez a secretária de refém e ordenou que ela o levasse para uma das salas de aula onde estavam os alunos, que tiveram seus celulares roubados pelo suspeito. “Foi um momento de terror, alunos e professores estão bastante assustados. Peço que os pais dos alunos prestem queixa na delegacia.”

Ainda de acordo com a diretora, o suspeito estava muito alterado e chegou a ameaçar um dos professores. O crime aconteceu por volta de 13h30 da tarde. Após roubar os celulares o criminoso fugiu com um comparsa que o esperava do lado de fora em uma moto. A diretora disse que após roubo acionou a Polícia Militar que mandou uma viatura para o local. Ela disse ainda que comunicou o fato na Corregedoria Regional Metropolitana VI e registrou a ocorrência na 50ª DP( Itaguaí).

Os pais dos alunos ficaram revoltados com situação, e cobraram mais segurança por parte das autoridades, já que a escola está localizada numa das principais vias do município e não tem segurança,nem porteiro, ficando vulnerável a esse tipo de crime.

ASSALTOS NA REDE MUNICIPAL

Não é de hoje que a falta de segurança e o descaso do poder público assola as escolas municipais de Itaguaí. Pais, professores e estudantes da rede municipal de Itaguaí sofrem com uma rotina de medo. Assaltos em escolas têm sido comuns em horário de aula. Na semana passada, criminosos invadiram o prédio e arrombaram portas e janelas da Creche Municipal Estrela do Céu.

Segundo informações da diretora da instituição, Zélia Maria Corrêa, um homem armado invadiu o local, fez a secretária de refém e ordenou que ela o levasse para uma das salas de aula onde estavam os alunos, que tiveram seus celulares roubados pelo suspeito. “Foi um momento de terror, alunos e professores estão bastante assustados. Peço que os pais dos alunos prestem queixa na delegacia.”

Ainda de acordo com a diretora, o suspeito estava muito alterado e chegou a ameaçar um dos professores. O crime aconteceu por volta de 13h30 da tarde. Após roubar os celulares o criminoso fugiu com um comparsa que o esperava do lado de fora em uma moto. A diretora disse que após roubo acionou a Polícia Militar que mandou uma viatura para o local. Ela disse ainda que comunicou o fato na Corregedoria Regional Metropolitana VI e registrou a ocorrência na 50ª DP( Itaguaí).

Os pais dos alunos ficaram revoltados com situação, e cobraram mais segurança por parte das autoridades, já que a escola está localizada numa das principais vias do município e não tem segurança,nem porteiro, ficando vulnerável a esse tipo de crime.

ASSALTOS NA REDE MUNICIPAL

Não é de hoje que a falta de segurança e o descaso do poder público assola as escolas municipais de Itaguaí. Pais, professores e estudantes da rede municipal de Itaguaí sofrem com uma rotina de medo. Assaltos em escolas têm sido comuns em horário de aula. Na semana passada, criminosos invadiram o prédio e arrombaram portas e janelas da Creche Municipal Estrela do Céu.

Fonte: Jornal Atual de Itaguaí