Arquivo da categoria: Ambiente

Quais são os grupos que não devem tomar a vacina da febre amarela – e como podem se proteger

O Brasil vive o maior surto de febre amarela silvestre das últimas décadas, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, o governo federal iniciou uma campanha emergencial de vacinação com o objetivo de imunizar cerca de 20,6 milhões de pessoas nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, novas áreas de concentração da doença, entre janeiro e março.

A preocupação decorre dos números. No primeiro semestre do ano passado, foram confirmados 777 casos em 21 Estados e no Distrito Federal. No segundo, foram 35 em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Distrito Federal – 145 ainda estão em investigação.

No entanto, diferentes grupos – como gestantes, idosos, pessoas em quimioterapia e em determinados tratamentos de saúde – não podem receber a vacina por causa dos riscos de reações graves.

 

Abuso sexual e transtorno bipolar marcaram a difícil vida de Dolores O’Riordan, vocalista do Cranberries

‘Evito as redes sociais pela mesma razão que evito as drogas’, diz o criador da realidade virtual

 

Para esses indivíduos, a orientação é evitar picadas de mosquitos por meio do uso de camisas de mangas longas e calças compridas, mosquiteiros e repelentes – grávidas e mães de recém-nascidos, contudo, devem buscar orientação sobre possíveis reações alérgicas a essas substâncias. Se possível, é recomendado ainda buscar telas antimosquitos para os cômodos da casa.

A febre amarela causa sintomas como dor de cabeça, febre baixa, fraqueza e vômitos, dores musculares e nas articulações. Em sua fase mais grave, pode causar inflamação no fígado e nos rins, sangramentos na pele e levar à morte.

Transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, a forma silvestre da doença é a variedade que ainda provoca surtos no Brasil. O país não registra casos de febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti, desde 1942.

A BBC Brasil conversou com diferentes especialistas sobre quem pode e quem não deve se vacinar – e por quê. Confira.

 

Por que há contraindicação para algumas pessoas?

 

A vacina contra a febre amarela é considerada altamente segura. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), dos EUA, eventos adversos sérios, que põem em risco a vida do paciente, ocorrem em 1 a cada 250 mil pessoas vacinadas.

Mas em determinados grupos de pacientes, como aqueles que estão com o sistema imunológico debilitado ou que têm alergias a elementos do ovo, a imunização pode causar problemas graves.

Esses efeitos ocorrem porque o imunizante contra a febre amarela possui o vírus vivo atenuado, que desaparece do organismo três semanas após a vacinação, em média.

Em um paciente com um sistema imunológico sadio, a vacina irá provocar as células de defesa para que criem anticorpos contra a doença. Isso significa que esse paciente, ao ser eventualmente picado no futuro por um mosquito infectado, terá os anticorpos necessários para combater o vírus.

 

“Quando a pessoa é vacinada, o vírus inoculado passa a se multiplicar no organismo do paciente. O sistema imunológico então identifica a atividade do vírus e começa a produzir células de defesa para combatê-lo”, explica André Siqueira, pesquisador do Laboratório de Pesquisa Clínica em Doenças Febris Agudas do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fiocruz.

No entanto, se o sistema imunológico do paciente estiver enfraquecido por doenças sérias, como o câncer, a vacina pode criar um quadro semelhante ao da febre amarela em si. Por isso é importante realizar uma triagem antes de tomar a vacina, para garantir que não há contraindicações.

 

Doadores de sangue

Pessoas que pretendem doar sangue devem esperar 30 dias após a vacinação para o procedimento.

O objetivo é evitar que o vírus vivo inoculado, circulante na corrente sanguínea do doador durante as três primeiras semanas após a vacinação, não acabe em um paciente que esteja com o sistema imunológico debilitado e cause reações adversas.

“É uma ação de prevenção que faz parte dos protocolos internacionais”, afirma Regiane Cardoso de Paula, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

Ela pede que o doadores procurem os hemocentros do município no qual residam antes do início da campanha de vacinação fracionada no Estado de São Paulo, que começará no dia 29 de janeiro.

É importante lembrar que o risco está para o paciente debilitado que receberá o sangue – e não para o doador.

“Pedimos que as pessoas doem sangue antes do Carnaval, período em que precisamos de doações. Os estoques dos hemocentros já estão baixos, porque janeiro é um período de férias em que as pessoas geralmente estão em viagem”, afirma a diretora.

 

Gestantes e mulheres que amamentam

 

Grávidas e mulheres que estejam amamentando um bebê com menos de seis meses devem buscar orientação médica antes de tomar a vacina. A cautela é para evitar a possibilidade de reações alérgicas graves.

A orientação geral é que essas mulheres só sejam imunizadas se estiverem em área de risco de transmissão da doença.

“O médico vai fazer uma conta de risco e benefício”, diz Cardoso de Paula. “Se a grávida tiver mais de três meses de gestação e estiver próxima do foco da doença, a recomendação é que tome a vacina. Se puder se deslocar para um outro local em que a doença não seja endêmica, podemos avaliar se a vacina é dispensável.”

 

Bebês com menos de 9 meses

 

O Ministério da Saúde recomenda a vacinação apenas para os bebês acima de nove meses de idade. Para aqueles em áreas de alto risco da doença, a recomendação é a partir dos seis meses.

De acordo com Expedito Luna, médico epidemiologista e professor do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo, a razão está na maior probabilidade de efeitos colaterais para crianças nessa faixa etária.

“Nesse grupo, há mais eventos adversos neurológicos e menor imunogenicidade da vacina, o que significa que ela protege menos. Você aplica em cem crianças e vai haver menos proteção e mais efeitos colaterais”, explica.

 

Idosos acima de 60 anos

 

Atualmente, a vacina está recomendada para aqueles entre nove meses e 59 anos de idade.

Idosos acima dessa faixa etária precisam passar pelo médico para avaliar o estado do sistema imunológico e se o risco de serem contaminados pela doença é alto ou não.

De acordo com Luna, desde 2000 foi identificado no Brasil e em outros lugares do mundo que uma pequena proporção daqueles que tomavam a vacina podiam desenvolver um quadro grave, semelhante ao da própria febre amarela.

“No estudo desses raros casos de eventos adversos, identificou-se que era comum entre aqueles acima de 60 anos, com doenças do timo e doenças autoimunes. Isso levou a uma restrição maior no uso da vacina nesses casos.”

 

 

Pessoas com doenças autoimunes

 

Pacientes em radioterapia, quimioterapia ou fazendo uso de corticoide, portadores de doenças autoimunes, como lúpus, doença de Addison e artrite reumatoide, são contraindicados a receber a vacina.

Como estão com o sistema imunológico suprimido pelas condições citadas acima, a vacina contra a febre amarela – assim como de outras em que há o vírus vivo atenuado, como caxumba, varicela, catapora – pode trazer efeitos colaterais graves.

“Em condições normais, o vírus inoculado da vacina não causará nenhum problema – ao contrário, ele irá estimular a criação de anticorpos contra a doença. Mas se houver problemas com a imunidade, pode ocorrer desse vírus atenuado se multiplicar e causar reações adversas”, explica Siqueira, da Fiocruz.

 

Diabéticos

 

Diabéticos com os níveis de glicemia controlados não têm contraindicação para a vacina.

No entanto, aqueles com altos níveis de açúcar no sangue precisam se consultar com um médico antes de se vacinar.

“A vacina pode afetar o sistema imunológico, debilitado pelos altos níveis de glicemia”, afirma Siqueira.

 

Quem pode tomar

 

Todas as pessoas não pertencentes aos grupos citados acima e que vivem em área de risco para a doença, conforme determinado pela Secretaria de Saúde de seu Estado, devem procurar postos de saúde para tomar a vacina.

Pessoas que viajarão para essas regiões também precisam se imunizar – nesse caso, dose deve ser aplicada no mínimo dez dias antes da chegada.

Nos postos, é necessário passar por uma triagem antes da imunização para definir se há ou não contraindicação.

Entre os dias 29 de janeiro e 9 de março, os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia irão realizar uma campanha de vacinação fracionada – o que significa que a dose de febre amarela, de 5 mg, será dividida em cinco partes para ser aplicada em mais pacientes.

De acordo com o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz), a dose fracionada protege contra a doença por até oito anos. A dose integral, segundo a Organização Mundial de Saúde, vale para a vida toda.

Confira as datas de vacinação dos Estados:

– São Paulo: 29 de janeiro a 17 de fevereiro

– Rio de Janeiro: 19 de fevereiro a 9 de março

– Bahia: 19 de fevereiro a 9 de março

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira as cidades nos três estados com risco de infecção pela doença e que têm recomendação de vacina. A lista completa está no site do órgão.

Vacinação em Itaguaí

Na cidade de Itaguaí, a aplicação da vacina é voltada a todos os moradores do município aptos a receber a dose e está ocorrendo no posto Vigilância em Saúde, no Centro, de segunda a sexta-feira, a partir das 9h. São aplicadas diariamente 200 doses. Muitos moradores tem ido aos postos de saúde para tomar a vacina. A falta de uma comunicação com cartazes ou similar tem feito pessoas aguardarem desde às 04 da manhã em filas nos postos. Nestes locais apenas crianças com idade entre nove meses e menores de dois anos continuam sendo vacinadas nas unidades de saúde que possuem salas de vacinação.

Onde vacinar crianças de nove meses a dois anos

Posto Centro (às terças-feiras); Vila Margarida (às sextas-feiras); Monte Serrat (às terças-feiras); Vila Geny (às quartas-feiras, pela manhã); Vista Alegre (às quintas-feiras, pela manhã); Chaperó (quartas e quintas-feiras, pela manhã); ESF Coroa Grande (às quartas-feiras); Clínica da Família (segunda e quartas-feiras); ESF Odenit Maia (às segundas-feiras); ESF Mazomba (às quartas-feiras).

Anúncios

Chuvas arrasam Itaguaí

Todo o Estado sofreu com inundações

A cidade de Itaguaí não escapou das fortes chuvas que atingiram todo o Estado do Rio no último domingo. Praticamente todos os bairros da cidade sofreram com alagamentos. Foram quatro horas de chuva intensa deixando a cidade a margem de problemas que tem piorado cada vez mais.

 

A correnteza era assustadora e até barcos foram usados para tirar alguns moradores das casas que enchiam. Muitos perderam tudo. Segundo eles não houve ainda nenhum tipo de auxílio por parte da prefeitura da cidade. As águas ainda hoje não escoaram totalmente e a falta de limpeza agrava a situação.

 

 

No Hospital Municipal São Francisco Xavier, que passa por uma obra de reparos, funcionários tentaram em vão conter as goteiras com o auxílio de baldes.

 

A Prefeitura Municipal de Itaguaí informou que ontem segunda seria iniciado trabalho de limpeza e desobstrução do valão do Guanabara, que costuma transbordar, na tentativa de diminuir o impacto das chuvas. Mas, devido ao novo alagamento na cidade o serviço foi adiado.

Itaguaí contava com a secretaria de defesa civil até o final de 2016. Em janeiro do ano seguinte ela foi desativada pelo atual gestor, dificultando ainda mais a vida da população.

A previsão para todo o Estado ainda é de chuva para toda a semana e segundo a Defesa Civil há possibilidades de mais chuvas intensas.

Águas vivas gigantes surpreendem banhistas e moradores em Mangaratiba

Espécie ainda não foi identificada

Banhistas e pescadores das praias de Muriqui, Mangaratiba e Praia do Saco, foram surpreendidos com o aparecimento de águas vivas de tamanho considerável. Este tipo ainda não havia sido avistada pela região. Apesar das águas mais frias que o normal para esta época do ano, o que poderia explicar tais aparecimentos, ainda não se sabe o real motivo desses seres tão “avantajados”.

Segundo especialistas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), os registros foram feitos em Mangaratiba e não em Angra dos Reis, como alguns relatos feitos nas redes sociais . Não se sabe a espécie do animal, que chama atenção pelo tamanho.

Pesquisadores da Uerj e da Universidade de São Paulo (USP) se comprometeram em ir até o local onde a água-viva foi encontrada para tentar identificar as causas do aparecimento naquela região.

Como cuidar da queimadura

A água-viva libera uma toxina que irrita muito a pele, podendo deixar marcas vermelhas. A orientação do Corpo de Bombeiros em caso de queimaduras é lavar o local com água do mar ou vinagre, sem esfregar. Não se deve utilizar água doce ou outros líquidos, como bebidas alcoólicas ou azeite, por exemplo.

De acordo com os bombeiros, as vítimas devem ficar em observação para verificar se surgirão outros sintomas, como tontura, vômito, desmaios, dificuldades respiratórias ou o fechamento de garganta. Se isso acontecer, pode ser sinal de alergia ou intolerância maior ao veneno. Neste caso, a pessoa deve procurar um médico.

Os Pesquisadores de Oceanografia orientam em não tentar pegar a Água-viva, apenas se afastar se por acaso avistar alguma delas, pois elas não são velozes e não atacam.

A água-viva só queima quando se tem contato com seus filamentos, isto é, se você pisar ou encostar-se a ela. Por isso, ao chegar numa praia que não conhece, consulte o salva-vidas ou gente da região para saber se elas são comuns no local, pois o contato pode ocasionar reações alérgicas.

As águas-vivas são grandes consumidoras de peixes. Chegam a comer até 04 peixes de porte pequeno por hora. Elas parecem uma geleia transparente, pois 95 % do organismo é composto por água. São arredondadas, movem-se lentamente e têm um mecanismo de defesa muito especial: queimam quem pisar ou tocar nelas. Possuem forma de medusa, lembrando um guarda-chuva aberto, com a bica situada na parte inferior, onde também ficam os tentáculos. Seu tamanho varia muito de uma espécie para outra. Algumas podem ter mais de dois metros de diâmetro.

As águas-vivas estão entre os mais antigos habitantes da Terra. Seus ancestrais surgiram há uns 700 milhões de anos! Até hoje, descobriram-se mais de nove mil espécies de medusas. O verão é a estação em que elas se reproduzem, por isso elas aparecem mais nas praias neste período.

A reprodução das águas-vivas é feita através da liberação de óvulos da fêmea no mar, que são fertilizados pelo macho. Algumas espécies adotam o embrião, como numa gravidez, até que o ovo se transforme em larva. Uma medusa leva até 2 anos para chegar à fase adulta.

Ventania faz estragos em Itacuruça

A Forte ventania arrancou árvores, virou barcos e destelhou quiosques

Mangaratiba, Itaguaí e Seropédica tem previsão de ventos fortes para o final da tarde.

Uma forte ventania deu um susto nos moradores e freqüentadores de Itacuruça, distrito de Mangaratiba. Os ventos começaram no fim da manhã desta segunda (02/10) entre 11 e meio dia.

Moradores disseram ter visto um redemoinho e nos enviaram imagens dos estragos via Whatsapp. Várias embarcações afundaram e foram viradas. Árvores foram arrancadas pela raiz com a força do vento. Algumas pessoas ficaram feridas. Ainda não há informações sobre o total de feridos e se houve algum óbito.

 

A previsão agora para tarde é de chuvas fortes com ventania para Mangaratiba e Itaguaí. Os moradores devem ficar em estado de atenção.

Falta de organização e segurança contrastam com bons shows na Expo de Itaguaí

Cantores foram a parte positiva  do evento marcado pela falta de organização e desrespeito com os frequentadores

 

Principio de incêndio em um dos telões do palco, relatos de assaltos dentro do evento e muita confusão na entrada principalmente no sábado e no domingo, acabaram ofuscando o entusiasmo dos cantores que se apresentaram na Expo Itaguaí 2017.

A maior festa da cidade de Itaguaí e que comemora anualmente o aniversário da cidade, pelo visto foi uma responsabilidade acima da capacidade da empresa responsável pela organização do evento. A prefeitura de Itaguaí, tradicional organizadora da festa, concedeu a uma empresa privada a condução do evento. Do primeiro ao último dia, dezenas de relatos deram conta de problemas dentro e na entrada da mais badalada festa da região.

No primeiro dia, uma frequentadora testemunhou que 20 pessoas foram assaltadas, sendo 3 seus amigos e a segurança do evento responsabilizava a polícia militar que por sua vez fazia o mesmo com a segurança do evento segundo ela.

https://m.facebook.com/expoitaguai2017/posts/1476048162456827?pnref=story

Ainda no primeiro dia, a justiça havia proibido a entrada de menores de 18 anos. Para se chegar ao veredito, a juíza Bianca Paes Noto do cartório da Vara de Família, infância e juventude e do idoso da Comarca de Itaguaí, levou em consideração a precariedade da saúde pública do município, em especial do hospital municipal São Francisco Xavier. Segundo a juíza, no pedido de alvará de autorização para entrada e permanência de crianças e adolescentes durante o evento, a empresa MRC ENTRETENIMENTO E EVENTOS LTDA, de nome fantasia VIVERE, responsável pela organização da festa, não ofereceu no requerimento onde pedia essa autorização, as condições mínimas sobre as medidas que seriam adotadas para manter a integridade física dos participantes. A justiça, mencionou que tal evento realizado anualmente e divulgado amplamente nas mídias, requer um forte aparato de segurança e a manifestação dos órgãos de segurança são imprescindíveis para analise e o deferimento deste alvará. Algo não apresentado de forma consistente pela organizadora do evento.

Contudo, os organizadores conseguiram tal autorização no dia seguinte e os menores puderem entrar. Com o acesso garantido, se viu muitos adolescentes com bebidas alcoólicas e a falta de uma fiscalização sobre isso e demais assuntos pertinentes aos menores foi evidenciada.

Os dias que se sucederem não foram muito diferente. Muitos frequentadores relataram nas redes sociais que foram assaltados dentro do parque de eventos e nas imediações da festa. No sábado, uma fila gigantesca na entrada fez com que muitas pessoas desistissem de entrar. Faltando ainda duas horas para o horário marcado limite para a entrada gratuita, grades foram postas para dificultar o acesso. O mesmo ocorreu no domingo e de forma ainda mais desrespeitosa. A entrada para a área que levava ao acesso ao portão principal, media menos de 2 metros de largura para um contingente de  quase mil pessoas a cada meia hora que se aglomeravam e se espremiam sem ter como voltar caso quisessem e há relatos de alguns pisoteamentos. Também no domingo sem maiores explicações, a organizadora do evento resolveu antecipar em uma hora o horário limite para a entrada  gratuita pegando todos de surpresa. Aliás, os valores dos ingressos subiram de forma espantosa.

Aglomeração ocasionou empurrões e temor logo na entrada

Entrada à direita da foto, era um funil de menos de 2 metros. Frequentadores levaram em média 40 minutos para entrar, após sofrerem com empurrões e tumulto

Muitos frequentadores reclamaram nas redes sociais

“Absurdo!!!
Entrada para “expo” era gratuita até às 18:00. Antes das 17:00 ninguém entrava sem ingresso, e isso é valor de ingresso ?
E os pais que querem levar as crianças no parque e não querem ver o show?” Um comentário referente a antecipação do horário limite de entrada gratuita.

Foi possível notar claramente, a falta de um contingente maior de funcionários para organizarem todo o processo de entrada no Parque, em especial antes do portão principal. Os poucos que ali estavam, mostraram muita educação e profissionalismo. No entanto, a demanda carecia de um grupo bem maior.

Mas, o que entristeceu muitos frequentadores, foi a festa de exposição não ter exposição.  A festa tem a tradição de exposição de animais e de várias obras artesanais, além claro do rodeio entre outros, algo inexistente este ano.

 

Os shows

Os cantores foram a parte positiva da Expo Itaguaí. Todos eles se esforçaram e com entusiasmo conquistaram o público. Contudo, o show mais esperado, o das cantoras sertanejas  Maiara e Maraisa realizado no domingo, foi alvo de um incidente. Um princípio de incêndio atingiu uma parte da estrutura do palco na parte superior de um dos telões. O show, usa muitos efeitos pirotécnicos e as chamas começaram justamente no local onde saíram alguns pequenos artefatos. Os seguranças das cantoras apagaram o princípio de incêndio.

Cantora pede calma ao público para que o incidente seja resolvido

Vídeo mostra cantora pedindo ajuda aos Bombeiros e ao publico presente para que se afastasse do local

Falando em telões, foi no mínimo frustrante a falta de bom senso dos organizadores de ao invés de exibirem os shows nos telões, afinal, são milhares de pessoas e a visão para o palco não contempla à todos, ter usado o espaço apenas para propagandas incessantes de seus patrocinadores. Foi sem dúvidas a pior exibição de shows da história.

A falta de segurança no município é algo cada vez mais grave e a Expo 2017 foi apenas mais uma forma de delitos para ações de bandidos que tomam conta de toda a cidade. No sábado, dois policiais ficaram desaparecidos em uma favela da cidade após trocarem tiros com bandidos. Após centenas de policiais serem mobilizados, os dois foram resgatados com vida.

 

Veja mais:

https://bocanotromboneitaguai.com/2017/07/05/expo-de-itaguai-proibida-para-menores-de-18-anos/

https://bocanotromboneitaguai.com/2017/07/09/apos-sumico-policiais-sao-resgatados-em-favela-de-itaguai/

 

Comissão federal e dois vereadores de Itaguaí visitam Porto

Objetivo é encaminhar as demandas do local aos órgãos competentes

Na manhã desta sexta-feira  (30), a Comissão de Viação e Transportes da Câmara Federal,representada pelos Deputados Altineu Cortes,Wilson Bezerra e Alexandre Valle, visitaram o Porto de Itaguaí e o Porto Sudeste.

A visita foi acompanhada ainda pelo Presidente da CDRJ,diretores da CDRJ,o Diretor do Tecon Marcos Cunha e pelos Vereadores de Itaguai Andre Amorim e ProfWillian Cezar.

O objetivo da visita é,além de conhecer a operação portuária e logística,levantar as demandas para que haja encaminhamentos aos órgãos competentes no auxílio as empresas e trabalhadores.

Itaguaí e Piraí fazem parceria para divulgar o turismo na Serra do Matoso

Acordo deve gerar mais empregos e renda para a população local

 

O turismo na Serra do Matoso deve ficar mais atraente com a parceria firmada recentemente entre as secretarias de Eventos de Itaguaí e a de Cultura e Turismo de Piraí. As duas pastas trabalharão em conjunto para fomentar e divulgar os pontos turísticos das duas cidades. As propostas, quando implementadas, devem gerar mais emprego e renda para a população local.

 

A capacitação e a conscientização da população local e a criação de um site especializado único também foram medidas discutidas e aprovadas pelo grupo.

 

“O nosso objetivo (Itaguaí e Piraí) é trazer a Serra do Matoso para a comunidade local, além de fomentar o turismo em conjunto”, explicou o coordenador de Turismo de Itaguaí, Sérgio Felix Câmara.

 

Segundo Câmara, também ficou decidido no encontro que os dois municípios irão divulgar as trilhas, cachoeiras e outras belezas naturais da Serra do Matoso.

 

A reunião aconteceu na cidade de Piraí. Além do coordenador de Turismo de Itaguaí, participaram do encontro a chefe da Divisão de Turismo, Fernanda Lopes Pinto Silva, a secretária de Agricultura, Carla de Carli, o diretor de Projetos Especiais, Rodrigo Farias, todos de Piraí, e Eliana Guerhard, empresária e organizadora de eventos de parapente.

 

 

 

Nosso blog já havia registrado alguns pontos turísticos históricos de Itaguaí.

Igreja de Nossa Senhora Aparecida, em Raiz da Serra

Igreja de Nossa Senhora Aparecida, em Raiz da Serra

Visitar Itaguaí é uma boa oportunidade de desfrutar das belezas naturais da região e também de conhecer um pouco mais da história do Brasil. Foi pensando no  morador da cidade ou visitante, que a Secretaria Municipal de Eventos elaborou um roteiro com os pontos turísticos mais procurados por excursionistas e desportistas. Entre eles, há o Ponto dos Voadores, onde se pratica o voo livre, e a Estrada Real da Serra da Calçada, construída no século XVIII e que serviu de passagem para Dom Pedro I e sua comitiva.

O Ponto dos Voadores está situado na Serra do Matoso, a uma altitude de 420 metros. Para chegar até ele é preciso trafegar nove quilômetros pelas estradas dos Caçadores e do Nonô, duas vias de terra batida, mas em boas condições de uso. O trajeto por si só é um convite à contemplação, pois ao longo do caminho é possível observar belezas naturais, como matas nativas, lagos, animais silvestres e de criação. Lá do alto, se tem uma vista belíssima da Mata Atlântica e de boa parte da região incluindo, é claro, a cidade de Itaguaí e o bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

É também no alto da serra que está montada a rampa para os praticantes do voo livre. A área de salto está situada no sítio de Nelson Ferreira da Rosa, o Seu Madruga, de 82 anos. É Seu Madruga quem cuida da manutenção do espaço esportivo e recebe com simpatia os amantes desse esporte radical e outros visitantes. Itaguaiense de nascença e pai de três filhos, Seu Madruga vive da venda dos salgadinhos e caldo de cana. Ele é tão apaixonado pela região que há 25 anos não vai à cidade, nem para ir ao médico.

                                                                                   Fotógrafo Rui Okada

“Nasci neste lugar. Não saio daqui para nada. A minha vida é a minha família, o meu trabalho no sítio e a rampa dos voadores”, disse, com orgulho, Seu Madruga.

 

 

 

 

A estrada do Imperador

A história do Brasil também está registrada em Itaguaí. A oito quilômetros da Rodovia Rio-Santos (BR-101), no bairro Raiz da Serra, começa talvez uma das mais antigas estradas do país: a Estrada Real da Serra da Calçada. Foi o primeiro caminho construído em 1822 pela corte portuguesa para ligar o Rio de Janeiro a São Paulo. A estreita via é revestida com pedras pé-de-moleque que foram transportadas até o local por escravos. Dom Pedro I, o primeiro Imperador do Brasil (1822-1831), a usava com frequência nas suas viagens à capital paulista. A sinuosidade da estrada é acompanhada por lindas árvores nativas e pelo ar fresco da floresta.

Antes mesmo de o turista seguir pela Estrada Real, vale a pena fazer uma visitinha na igualmente histórica Igreja de Nossa Senhora da Aparecida, que fica no entroncamento das estradas do Cacau e dos Caçadores. O prédio data do século XVIII. Ele está em excelente estado de conservação e ainda guarda a arquitetura de origem.

“Itaguaí tem maravilhas que o seu próprio povo desconhece. Além das belezas naturais, temos monumentos históricos, trilhas e esportes radicais. Todos eles são ótimas opções de lazer”, convidou o coordenador de Turismo de Itaguaí, Sérgio Felix Câmara.

 

Palmeiras imperiais. Sinal de riqueza onde era plantada na época do império.

Como chegar

Chegar a um desses dois pontos turísticos de Itaguaí é a coisa mais fácil do mundo. De ônibus ou de automóvel, a viagem é rápida e segura. Quem se decidir ir a esses lugares de transporte público, deve ir até a Rodoviária, no centro de Itaguaí, e embarcar no ônibus da Viação Expresso Recreio, que faz a linha Itaguaí-Serra do Matoso. Mas é bom ficar atento aos horários de partida dos coletivos. Há apenas dois ônibus por dia que sobem a serra: às 7h e às 15h. E também dois que descem: às 9h e às 17h.

Se o turista optar pela viagem de carro de passeio, ele pode seguir pela Rodovia Rio-Santos (BR-101) e acessar o bairro Amendoeira, em Itaguaí, pela saída 402 da via. Ou se preferir o visitante pode passar pelo centro da cidade e depois seguir pela Estrada do Teixeira até Santa Cândida. De uma forma ou de outra, o motorista deve seguir pela Estrada do Caçador, uma via de terra batida, mas em bom estado de conservação, até o entroncamento das estradas do Cacau e dos Caçadores.

 

Capa: Fotógrafo Rui Okada

Com prefeitura de Itaguaí