Estudo brasileiro sobre cloroquina é interrompido após morte de pacientes


Um sonho que esse medicamento fosse a cura para a Covid-19. Mas ainda não é. Cientistas sabem mais do que curiosos sim.

Um estudo preliminar realizado no Brasil sobre o uso de cloroquina para tratar pacientes com sintomas do novo coronavírus foi interrompido depois que 11 pessoas morreram. Os pesquisadores descobriram que uma dose alta do medicamento pode levar a quadros severos de arritmia ou batimentos cardíacos irregulares.
A pesquisa — que não foi revisada por membros da academia científica ou publicada em revistas do setor, mas divulgada em um servidor virtual de informações da área da saúde chamado medRxiv, no sábado cita 81 pacientes que foram hospitalizados com sintomas de COVID-19 em Manaus.

Os pacientes foram incluídos no estudo antes de receberem uma confirmação do laboratório de que estavam com a doença.
Para os testes, eles receberam uma dose alta de cloroquina (600mg duas vezes ao dia por 10 dias, uma dose total de 12g) ou uma dose baixa de 450mg por cinco dias (duas vezes somente no primeiro dia, uma dose total de 2,7g).

Leia também:

Cloroquina: entenda por que você não deve usar o remédio contra coronavírus

Hidroxicloroquina: o que é o medicamento e por que ele divide o governo?

Quem é a médica defensora da hidroxicloroquina que se reuniu com Bolsonaro

Todos os pacientes também receberam ceftriaxona e azitromicina como parte do tratamento. Uma limitação da pesquisa é que nenhum dos envolvidos recebeu placebo (substância inerte).
No sexto dia de testes, os pesquisadores interromperam o estudo antes do previsto depois que alguns pacientes do grupo que recebeu uma dose alta do medicamento morreram. Os que sobreviveram passaram a receber uma dose baixa.

Os pesquisadores determinaram que, apesar de a cloroquina ser usada há mais de 70 anos de forma segura contra a malária, usá-la em altas dosagens para tratar COVID-19 “pode ser tóxico”. Eles solicitaram mais estudos sobre o medicamento.
“Para concluir, o esquema de dose alta de cloroquina (12g) por dez dias não foi suficientemente seguro para garantir a continuidade dessa parte do estudo”, escreveram os pesquisadores. Eles recomendam fortemente que essa dosagem não seja usada para o tratamento de casos graves da doença.

A cloroquina é semelhante à hidroxicloroquina, mas a segunda tem sido vista como “uma derivação menos tóxica” da primeira. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou o medicamento, indicando que ele pode ser um fator importante no tratamento do novo coronavírus.

Atualmente, não existe um tratamento para a doença aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, em inglês), mas a agência emitiu uma autorização para uso emergencial de cloroquina e hidroxicloroquina para tratar pacientes hospitalizados com COVID-19.

Fonte: CNN Brasil

O Mundo hoje 13 de abril, já registra quase 1,9 milhão de infecções e 114.983 mortes. No Brasil são até o momento 1.328 mortes por coronavírus, e 23.430 casos confirmados.

Dê a sua opinião sobre a postagem aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s