Delegacia conclui investigação sobre estupro coletivo e indicia sete


Extra

A Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav) divulgou, nesta sexta-feira, o resultado da investigação de um estupro coletivo denunciado por uma jovem de 16 anos. Sete pessoas foram indiciadas pelo crime que ocorreu no Morro da Barão, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. Entre o material analisado pelos peritos estavam imagens encontradas no celular de Raí de Souza, de 22 anos, um dos suspeitos do crime, que está preso.

— É um crime que chocou o Brasil e vai fazer história pela forma como foi praticado. A polīcia trabalha com prova técnica. Chegamos a sete indiciados — disse a delegada Cristiana Bento, titular da Dcav.

A delegada pediu a prisão preventiva de seis indiciados: Raí de Souza; Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa; Moisés Camilo de Lucena, o Canário; Michel Brazil da Silva; Marcelo Miranda da Cruz Correa; e Raphael de Assis Duarte Belo. Para o sétimo inidiciado, Perninha, que é menor de idade, a delegada fez o pedido de busca e apreensão.

Dos sete indiciados, quatro teriam mantido relações sexuais com a adolescente: Raí, Raphael, Perninha e Canário. Da Russa não manteve relações com a jovem, mas também vai responder pelo crime de estupro de vulnerável. Os outros três vão responder pela produção e divulgação de imagens indevidas da jovem.

O jogador de futebol Lucas Perdomo Duarte teve sua inocência comprovada e não vai responder por nenhum crime.

A partir de interceptações telefônicas, a polícia descobriu que um personagem identificado como “Jefinho” foi criado apenas para tentar atrapalhar as investigações.

— Em um grampo, Raí conversa com Raphael (Duarte Belo, de 41 anos, que está preso). Este diz para contar à polícia que foi Jefinho que filmou (a jovem). Mas, na verdade, quem participou do vídeo foi o traficante Perninha — explicou Cristiana.

image

Outros dois inquéritos foram abertos na Dcav para identificar outros possíveis estupradores. Também foi aberto um inquérito na Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) para identificar os traficantes da Barão e a participação de Raí no tráfico.

image

Entenda o caso

Na manhã do dia 21 de maio deste ano, a garota de 16 anos saiu de um baile funk com Raí, outra menina e o jogador de futebol Lucas Perdomo — que chegou a passar uma noite na cadeia mas teve a prisão revogada. O grupo, que teria consumido álcool e drogas no baile, seguiu para uma casa no Morro da Barão.

Raí, Lucas e a garota deixaram o imóvel. A vítima do estupro, desacordada, permaneceu na casa, onde foi encontrada pelo traficante Moisés Camilo de Lucena, o Canário, de 28 anos. Ele levou a jovem para outro imóvel, conhecido como “abatedouro”.

A garota foi abusada por um grupo de seis a oito traficantes, incluindo Canário. Na noite do dia seguinte (22), outro grupo submeteu a jovem a uma nova sessão de abusos sexuais.

Ainda na noite do dia 22, Raí, Raphael e outro homem teriam abusado da adolescente, além de gravarem vídeos e tirarem fotos. As imagens foram divulgadas na internet.

Matéria Jornal Extra

Anúncios

Dê a sua opinião sobre a postagem aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s