Presidente da Associação brasileira dos caminhoneiros não descarta possibilidade de nova paralisação

Em nota oficial na última semana, José da Fonseca Lopes – Presidente da Abcam, Associação Brasileira dos Caminhoneiros, relata que a ideia inicial não é realizar uma nova paralisação. Contudo, a insatisfação é imensa e não descarta essa possibilidade. O atual piso mínimo de frete, bem como a falta de fiscalização para o seu cumprimento são os principais motivos. A entidade vem percebendo uma insatisfação muito grande da categoria o que pode refletir em uma possível nova paralisação.

Leia a nota na íntegra.

#NOTA OFICIAL DA ABCAM – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CAMINHONEIROS – O QUE DIZ SOBRE NOVA GREVE DOS CAMINHONEIROS:

19 MARÇO 2019

Nota Oficial

“A Associação Brasileira dos Caminhoneiros ( Abcam) vem, por meio da presente nota, esclarecer informações divulgadas em matéria publicada pelo site UOL, no último dia 16.

Em conversa com o jornalista do referido veículo de comunicação, em fevereiro deste ano, a assessoria de imprensa da entidade informou que, de fato, por meio de monitoramento de redes sociais, grupos de whatsapp e conversas com diversas lideranças da categoria, não havia sido encontrado qualquer sinal de organização dos caminhoneiros com o objetivo de realizar uma nova greve.

Entretanto, são inúmeros telefonemas e mensagens de insatisfação com o atual piso mínimo de frete, bem como a falta de fiscalização para o seu cumprimento. A entidade vem percebendo uma insatisfação muito grande da categoria o que pode refletir em uma possível nova paralisação.

Vale ressaltar que a Abcam sempre concordou com a insatisfação dos transportadores autônomos. É imprescindível a criação de uma nova tabela de frete que esteja de acordo com a realidade vivida nas estradas e que garanta os custos operacionais do transportador. Também é necessária uma fiscalização eficaz e eficiente por parte da ANTT.

A Abcam espera que não seja necessário chegar uma nova e traumática paralisação. A entidade conta com o diálogo e a aproximação com o novo Governo Federal. Todas as reclamações recebidas foram discutidas na última próxima sexta-feira, dia 22, durante o Fórum TRC, um fórum de natureza consultiva do Governo Federal, o qual a Abcam é membro. Mas, nada foi ainda definido. Apesar disso, a entidade entende que a categoria é soberana em suas escolhas.

Vale destacar que há mais de 30 anos a Abcam atua na defesa dos interesses dos caminhoneiros autônomos e neste momento, a Associação entende ser necessário se especializar em propostas técnicas, ou seja, propostas que não dependam de vontade política e que não sofram interferências de interesses escusos. Propostas que, independente de tabela de frete, ANTT e Governo, possam ser uma alternativa para que os caminhoneiros aumente sua renda e melhore sua condição de vida.

Vale destacar algumas ações realizadas em 2018 e que terão continuidade:

– Proposta de piso mínimo de frete nacional e regionalizada: Na tabela apresentada há uma diferenciação de tarifa por tipo de veículo além de corrigir as discrepâncias existentes entre certos tipos de carga, a exemplo da carga frigorificada e perigosa. Este material foi apresentado à ANTT, Governo Federal, STF, Agronegócio, CNI, CNC, Frentes Parlamentares, Câmara e Senado.
– Plataforma de serviços: Foi desenvolvida uma plataforma de serviços para o caminhoneiro realizar o contato direto com o expedidor – sem qualquer intermediário e sem custos adicionais
– Seguro de proteção veicular: Serviço de seguro de carga e seguros contra terceiros;
– Rastreamento de cargas: Por meio de um sistema de georreferenciamento em tempo real, o motorista poderá usar o rastreador em seu próprio caminhão e também poderá oferecer esse serviço para quem o contratar, podendo assim, aumentar sua renda.

Hoje, a Abcam têm como objetivo encontrar soluções para os principais problemas dos caminhoneiros, mas de forma mais técnica, objetiva e independente. Acredita-se que, desta forma, será possível contribuir ainda mais com o setor de transporte rodoviário autônomo deste país.

Obrigado pela atenção de todos e que sempre estejamos protegidos por Deus em nossas ações e escolhas.

José da Fonseca Lopes – Presidente da Abcam”.

Página oficial abaixo:

https://www.facebook.com/grevecamioneirosbrasil/

Anúncios

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

O governo acompanha atentamente as primeiras movimentações de caminhoneiros no País, que ameaçavam dar início a nova paralisação. A classe entende que os principais compromissos assumidos pelo governo Michel Temer no ano passado não estão sendo cumpridos.

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo. As investigações apontam que teve início uma articulação por meio de mensagens de WhatsApp, que já começam a falar em paralisações para o dia 30 de março. O governo quer evitar, a todo custo, que qualquer tipo de paralisação aconteça. Não quer, nem de longe, imaginar que pode enfrentar o mesmo problema que parou o País no ano passado.

Os primeiros dados são de que, neste momento, o movimento não tem a mesma força percebida no ano passado, mas há temor de que os caminhoneiros possam se fortalecer e cheguem ao potencial explosivo da última greve. Dentro do Palácio, o objetivo é ser mais ágil e efetivo e não deixar a situação sair de controle por ficarem titubeando sobre o assunto, como aconteceu com o ex-presidente Michel Temer, no ano passado.

Na semana passada, Wallace Landim, o Chorão, presidente das associações Abrava e BrasCoop, que representam a classe de caminhoneiros, teve reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Chorão também teve encontro com a diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e, ontem, se reuniu com o secretário executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio.

Segundo Landim, os ministros disseram que, até a próxima semana, o próprio presidente Jair Bolsonaro deve se manifestar sobre os pedidos dos caminhoneiros. Na pauta de reivindicações da classe estão três pleitos. O primeiro pedido diz respeito ao piso mínimo da tabela de frete. Os caminhoneiros reclamam que as empresas têm descumprido o pagamento do valor mínimo e cobram uma fiscalização mais ostensiva da ANTT. A agência, segundo Landim, prometeu mais ações e declarou que já fez mais de 400 autuações contra empresas.

O segundo item da pauta é o preço do óleo diesel. Os caminhoneiros querem que o governo estabeleça algum mecanismo para que o aumento dos combustíveis, que se baseia em dólar, seja feito só uma vez por mês, e não mais diariamente.

Wallace Landim afirma que não é a favor de uma paralisação no próximo dia 30, porque acredita que o governo tem buscado soluções, mas diz que “o tempo é curto” e as mudanças estão demorando. “Não acredito que deva ocorrer greve no dia 30, mas paralisações não estão descartadas. Estamos conversando.”

Por meio de nota, o Ministério de Infraestrutura declarou que, no Fórum dos Transportadores Rodoviários de Cargas realizado ontem, esteve reunido com lideranças do setor e ouviu as demandas. O governo confirmou que tratou do piso mínimo, pontos de paradas e descanso e o preço do óleo diesel. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Calçadas em Itaguaí se transformam em problemas

Plantinhas viraram pequenas árvores. Prefeitura impede passagem de pedestres e em especial cadeirantes

Sugestão de matéria de nossos leitores

Uma ideia nada genial, já se tornou polêmica faz tempo nas calçadas da cidade de Itaguaí. A secretaria de ordem pública, através do secretário Nisan César dos Reis, começou a implementar algo nada viável para os pedestres. Desde que assumiu a pasta, o secretário resolveu arborizar o município. Até aí nenhum problema. Mas, uma das formas que o gestor da pasta resolveu adotar foi plantar várias plantas dentro de pneus e espalhou no meio de quase todas as calçadas da cidade.

Secretário divulgando as plantações

Calçadas com plantas onde deveria haver espaços para o trânsito das pessoas

Isso, claro, impede que um pedestre passe pelas calçadas, finalidade delas aliás. Além de impedir o acesso, tal medida impede que os cadeirantes tenham acesso a elas. Itaguaí, que já não tem muitos locais que facilitem a vida dos cadeirantes e que permite carros, em especial os de concessionárias, a estacionarem nas calçadas, agora tem mais esse agravante.

Pior impossível

O que parecia um cenário ruim, hoje em dia passa a ser desastroso. Pois as plantinhas que estão nos vasos de pneus cresceram. É o que ocorre na Rua Reverendo Otávio Luís Vieira, a rua do antigo Brother no Centro. As plantinhas e o mato em volta delas, parecem fazer do trecho da calçada uma mini floresta. Assim como o local citado, Itaguaí inteira possivelmente terá o mesmo cenário.

Não conseguimos novamente contato com o secretário responsável pelas plantações. Nosso blog aguarda um posicionamento e que haja uma satisfação e em especial um trabalho para resolver o problema.

Eletronuclear desmente assalto em carregamento de combustível na Rio – Santos

A Eletronuclear esclareceu em seu site que o comboio de transporte de combustível nuclear que seguia em direção a Angra dos Reis na última segunda-feira (18/03), pela manhã não foi atacado por bandidos. O carregamento, que tem como objetivo reabastecer Angra 2, chegou à central nuclear dentro do horário previsto, às 12h23.

Por volta das 12h, quando o comboio passava pelo Frade, em Angra dos Reis, ouviram-se tiros. Por precaução, e como contingência, policiais do Batalhão de Choque que acompanhavam o transporte se posicionaram às margens da rodovia, de forma a garantir a segurança do comboio, que em nenhum momento foi interrompido.

Após a passagem do comboio, alguns bandidos, assustados com o forte aparato policial, chegaram a efetuar disparos contra uma viatura da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os policiais revidaram, mas não houve feridos nem danos materiais.

Para ser transportado de Resende – onde é fabricado pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB) – a Angra dos Reis, o combustível nuclear é acondicionado dentro de contêineres metálicos especialmente fabricados para essa tarefa. Esses invólucros passam por testes de resistência contra quedas e incêndios.

Se um tiro de arma de fogo conseguisse atravessar a proteção do contêiner, poderia danificar o combustível nuclear. No entanto, isso não colocaria em risco a população nem o meio ambiente. O urânio contido em um elemento combustível está em estado natural, tendo o mesmo nível de radioatividade encontrado na natureza, disse a empresa.

Unidade de saúde em Itaguaí teve luz cortada por fazer “gato” na rede elétrica

Segundo página do Facebook, unidade da prefeitura faz “gato” na rede elétrica

Tem gato na rede – Segundo a página “Jornal Alô Cidadão do Facebook, a unidade de Estratégia da Saúde da Família (ESF), localizada próximo ao Teatro Municipal, teve sua energia elétrica cortada pela Light. Segundo a página, o motivo foi por uma ligação clandestina na rede elétrica, o famoso gato.

Tentamos contato com a prefeitura de Itaguaí para buscar maiores informações, mas até o momento não houve retorno.

Washington Post faz matéria sobre a “vergonhosa” visita de Bolsonaro aos EUA

Jornal estadunidense diz que bajulações a Trump, declarações preconceituosas e acordos em nada interessantes para o Brasil levaram a hashtag#BolsonaroEnvergonhaOBrasil aos assuntos mais comentados no mundo

Bolsonaro tem o pior índice de aprovação e cai 15 pontos

Apenas 34% aprovam o atual governo . Índice de aprovação é inferior ao de FHC, Lula e Dilma no mesmo período do primeiro mandato. Reprovação do governo subiu de 11% para 24%.

A pesquisa Ibope, o Instituto de Pesquisa mais respeitado da América Latina, divulgou nesta quarta-feira (20) os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL):

Ótimo/bom: 34%

Regular: 34%

Ruim/péssimo: 24%

Não sabe/não respondeu: 8%

A avaliação positiva do presidente caiu 15 pontos percentuais desde a posse. Em fevereiro, segundo a pesquisa, 19% consideravam o governo “ruim/péssimo”; 30%, “regular”; e 39% o avaliavam como “bom/ótimo”.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas entre 16 e 19 de março.O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Maneira de governar

A pesquisa também avaliou a opinião dos entrevistados sobre a maneira de governar do presidente da República:

Aprovam: 51%

Desaprovam: 38%

Não souberam ou não responderam: 10%

Em fevereiro, 57% aprovavam e 31% desaprovavam.

Confiança

Outro ponto questionado pelo Ibope foi sobre a confiança dos entrevistados em relação ao presidente:

Confia: 49%

Não confia: 44%

Não souberam ou não responderam: 6%

Em fevereiro, 55% afirmaram confiar no presidente e 38% disseram não confiar.

Comparação com outros presidentes

O Ibope fez uma comparação entre os resultados de pesquisas de avaliação da administração dos últimos presidentes eleitos, realizadas no mesmo período de governo.

A avaliação positiva de Jair Bolsonaro é inferior àquelas registradas para Fernando Henrique Cardoso (1º mandato), Lula (1º e 2º mandatos) e Dilma Rousseff (1º mandato). No entanto, ela é maior que as de Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff no início do segundo mandato.

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

Entrevistados: 2.002 pessoas

Quando a pesquisa foi feita: 16 e 19 de março

Nível de confiança: 95%